Home » , , » A Dangerous Method

A Dangerous Method

Ano: 2011

Realizador: David Cronenberg

Actores principais: Keira Knightley, Viggo Mortensen, Michael Fassbender

Duração: 99 min

Crítica: O maior elogio (e talvez o único) que se pode dar a este filme de David Cronenberg é que passará a ser a bíblia de todos os estudantes de psicologia. Já o imagino a ser passado nas aulas da faculdade. Já imagino os alunos a terem de escrever trabalhos de 2 mil palavras sobre ele. Já imagino os alunos mais molengões a abandonarem os livros e a verem o filme na véspera do exame. Contudo, não estou propriamente seguro que estes terão uma boa nota se só estudaram a partir do filme.

Cronenberg está longe dos filmes que construíram a sua reputação. Ultimamente, os seus universos surreais mas com pontas acutilantes de humanidade foram substituídos por filmes mais directos e acessíveis, mas que conseguem contudo ainda explorar as vertentes mais violentas do ser humano. ‘A History of Violence’ (2005) é indiscutivelmente uma obra prima, mas mesmo o menos conseguido ‘Eastern Promisses’ (2007) proporciona uma experiência mais recompensadora que ‘A Dangerous Method’, que ostensivamente é um estudo de personagens e da mente, mas que acaba quase como um melodrama, excessivamente a roçar o sentimentalismo barato.

Este filme, tal como os dois anteriores, conta com Viggo Mortensen, aqui no papel de Freud. Contudo, não é ele a personagem principal. O filme é contado da perspectiva de Carl Jung, protagonizado por Michael Fassbender, que continua a dar provas de que vai ser um dos melhores actores desta geração, e que mais cedo ou mais tarde alguém o vai convidar para ser o próximo James Bond.

Mas o filme abre com uma terceira personagem. Keira Knightly é Sabina Spielrein, uma paciente mental, cujo problema é sexual, e que é admitida na clínica de Jung. As primeiras cenas, sem música e com uma câmara muito intimista, mostram as primeiras sessões entre Keira e Fassbender, onde este pretende aplicar o método experimental de psicanálise de Freud, e Keira ostensivamente tem sucessivos ataques e crises que são mais o produto do overacting do que propriamente de uma paciente realmente em dificuldades. Estas cenas são poderosas e abrem uma porta pela qual, infelizmente, o filme não penetra.

É na consequência desta paciente que Jung e Freud se encontram pela primeira vez, e muitas discussões da psicanálise ocorrem, como se um jogo do gato e do rato existisse entre ambos. Contudo, cada vez que trata Keira, e mais tarde quando se envolve com ela, Jung põe em causa aquilo que acredita, ou melhor, faz cedências para tentar continuar a ter tudo: ser o melhor psicanalista do mundo, superar Freud, ter Keira e a mulher ao mesmo tempo, e mesmo assim manter os seus ideais e ajudar os seus pacientes. O filme tenta mostrar a luta de Fassbender com ele próprio enquanto articula todas estas coisas, mas substitui o pessoal pelo dramático. Ou seja, perde-se nas disputas mesquinhas entre o ariano quase egoísta Jung e o judeu ‘pai simpático mas incisivo’ Freud (que se nota estar muito acima intelectualmente), e também no triângulo amoroso entre Jung, a mulher dele e Keira.

A latente sexualidade sempre presente nas sessões, e muito incentivada pela breve aparição de Vincent Cassel como Otto Gross, é apenas expelida de quando em quando. A tentação e o reverter para o instinto animal (associado ao sexual) que Freud defende como causa de todos os problemas e que Jung quer negar com todas as suas forças, parece surgir quando ele capitula a Keira e parece apontar o filme para a direcção a que Cronenberg já nos habituou. Contudo Jung nega esse instinto e deixa Keira para perseguir os seus intentos pessoais, e ao negá-la e ao negar-se, nega também os pontos que o filme poderia atingir, e portanto este acaba por não ter nada que lhe altere o tom moroso.

Este é um filme exclusivamente de diálogos, bem entendido. Mas há várias obras primas que assim o são, portanto o problema não reside aí. Os caminhos possíveis de explorar neste filme eram tantos que é difícil de acreditar que não se optou por nenhum. Em vez disso, o filme debita milhares de noções de psicologia, ditas pelos próprios gurus da especialidade, e depois acaba praticamente no estilo telenovela, ao mostrar as disputas mesquinhas entre as personagens. O filme abre prometendo, e termina não oferecendo nada. Contudo, tem excelentes interpretações (excepto as patacoadas de Keira no início), e o design de produção, em Viena no virar do século, também está muito interessante, embora o background seja estranho. É difícil não notar na pouca naturalidade das pessoas que passam sempre atrás das personagens principais nas várias cenas. Só falta terem um autocolante na testa a dizer ‘extra!’.

O próprio título do filme parece prometer que o método é volátil e os próprios que o aplicam podem ceder às tentações que tentam suprimir. Um espectador fica sempre à espera que tal aconteça. Mas o filme retrai-se, e ao retrair-se perde todo o seu encanto. Pior mesmo é estar estruturado como o livro em que é baseado. São mandadas umas 10 cartas em todo o filme, ou mais. E temos que aturar todas elas, o envio e a leitura. Pouco cinematográfico.

Um filme que os estudantes de psicologia acharão interessante, mas que lhe falta qualquer coisa para que as personagens se transcendam e universalizem, de modo a que os seus problemas sejam cativantes para o público em geral. Cronenberg sabe fazer melhor do que isto. Tenho a certeza. Mas a verdade é que o seu filme seguinte 'Cosmopolis' (2012) é igualmente enfadonho, igualmente vazio por detrás de uma fachada espalhafatosa. Esperemos que brevemente regresse à sua velha forma.

1 comentários:

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

The Boss Baby

Ano: 2017 Realizador:  Tom McGrath Actores principais (voz): Alec Baldwin, Steve Buscemi, Jimmy Kimmel Duração: 97 min Crític...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates