Home » , , , , , , » Dinosaur

Dinosaur

Ano: 2000

Realizador: Eric Leighton, Ralph Zondag

Actores principais (voz): D.B. Sweeney, Alfre Woodard, Samuel E. Wright

Duração: 82 min

Crítica: Em 1995, após 4 anos de trabalho, a Pixar lançou o seu primeiro filme, ‘Toy Story’. Tal como se tinha especulado com ‘Snow White’ 60 anos antes aquando do nascimento dos filmes de animação, também muito se especulou sobre a capacidade de sucesso de um filme completamente feito através de imagens geradas por computador (CGI). Mas tal como ‘Snow White’, ‘Toy Story’ foi um estrondoso sucesso crítico e de bilheteira. Isto abriu portas para um novo ressurgimento da animação que hoje em dia, na década de 2010, detém uma importância enorme no mercado cinematográfico, com duas dezenas (ou mais) de lançamentos por ano.

Ora foi precisamente também em 1995, e com o aperceber-se das potencialidades deste novo mercado que o sucesso de ‘Toy Story’ deixou antever, que a Disney (que na altura ainda não detinha a Pixar), deu luz verde para a criação de uma unidade de animação por computador. 5 anos e 200 milhões de dólares depois, ‘Dinosaur’ foi o primeiro output desta unidade.

Oficialmente o 39º classico da Disney, ‘Dinosaur’ provou que todo este tempo e todo este dinheiro foi bem gasto, pelo menos se pensarmos na qualidade da animação digital que o filme apresenta, que é, mesmo para os padrões de agora (13 anos depois), verdadeiramente magnífica. O problema é que aparentemente os criadores do filme ficaram demasiado preocupados com a exploração da tecnologia, com a qualidade do visual, e esqueceram-se que os filmes também precisam de ter uma história. O que eu quero dizer é que a história de ‘Dinosaur’ é completamente banal e não faz jus à qualidade visual do filme, tornando-o completamente desinteressante ou, melhor dizendo, não apresentando nada de novo ou digno de registo, quando comparado com outros filmes da Disney.

É certo também que por esta altura a Disney estava num período descendente. Foi igualmente em 1995 que a Disney apresentou o último grande filme da sua segunda época de ouro, que incluiu ‘Little Mermaid’ (1989), ‘Beauty and the Beast’ (1991), ‘Aladin’ (1993), ‘Lion King’ (1994) e ‘Pocahontas’ (1995). Nos 5 anos que se seguiram, com ‘Hunchback of Notre Dame’ (1996), ‘Hercules’ (1997), ‘Mulan’ (1998) e finalmente ‘Tarzan’ (1999), a qualidade foi diminuindo e a magia foi-se perdendo. O público começava a apreciar mais os filmes do género Pixar (‘Bug’s Life’ de 1997 e ‘Toy Story 2’ de 1999), e os primeiros grandes filmes de animação por computador do Blue Sky Studious (Ice Age) e da Dreamworks (Shrek) estavam igualmente em produção por esta altura (‘AntZ’ da Dreamworks havia surgido em 1998, o primeiro filme CGI do estúdio). O tipo de animação e o modelo dos argumentos estava claramente a mudar. Estou seguro que tudo isto pesou consideravelmente no produto final de ‘Dinosaur’. A Disney provavelmente procurou, no meio da loucura do novo meio, produzir um produto diferenciador. Mas optou por o diferenciar exclusivamente a partir do visual, o que foi um erro.

‘Dinosaur’ tem, como disse, brilhantes gráficos, os dinossauros são criações digitais extraordinárias, credíveis e de tirar o fôlego a qualquer animador, e os cenários são incrivelmente realistas – e muitos deles são mesmo. Florestas, céus e lagos, por exemplo, foram filmados realmente e depois inseridos no mundo digital para criar backgrounds extraordinários. Mas depois, apesar de todo este deleite visual, a história é simples, batida, e o argumento está cheio de buracos.

Tudo começa quando um ovo de dinossauro se perde e é encontrado por uma tribo de macacos. Aladar, o nosso herói dinossauro que dá o nome ao filme, é então criado pela tribo, desde recém-nascido até se tornar um dinossauro de proporções gigantescas. E é imediatamente aqui que as coisas começam a correr mal com o argumento do filme. Várias questões vieram-me logo à cabeça. Os dinossauros coexistiram na Terra com os macacos? Visto que o filme só mostra dinossauros e macacos, há mais espécies no Planeta? Qual é a consequência para a psicologia da personagem principal de ter sido criada por macacos? O filme não aparenta mostrar nenhuma. Depois de Aladar, já na idade adulta, finalmente encontrar outros dinossauros, e se aperceber que afinal é de outra espécie, o seu comportamento não se altera um milímetro. Não fica surpreendido, não sente necessidade de explorar a sua nova identidade, etc. Em suma, comporta-se como se tivesse tido sempre a consciência de que era um dinossauro. E isso soa muito estranho na definição de toda a sua personagem. 

Um pouco depois do filme começar, há a famosa chuva de meteoritos que destrói grande parte da superfície da Terra e que mata a maior parte dos dinossauros. Num argumento muito pouco original em termos de ‘filmes de animação com dinossauros’, o filme transforma-se numa espécie de remake de ‘The Land Before Time – Em Busca do Vale Encantado’ (1988) o épico infantil de Don Bluth que foi um dos marcos para a geração dos anos 1980. Aladar, os seus amigos macacos, e a manada de dinossauros que haviam encontrado juntam-se para se dirigirem para um vale (porquê um vale outra vez?!) que supostamente ainda está verde e vivo e tem água. Eu tenho mais questões a fazer neste momento. Se toda a Terra ao redor dos nossos heróis se transformou num deserto após a queda dos meteoritos, se o céu escureceu e a maior parte da vida morreu, como é que os dinossauros sabem sem qualquer sombra de dúvida que este vale particular não foi afectado? Ouviram na rádio? Em ‘The Land Before Time’ esta informação é um boato que corre de dinossauro em dinossauro, que poderá ser ou não verdade. Em ‘Dinosaur’ não. “É para ali a terra boazinha. ‘Bora lá.”

E depois claro, tem que haver uns vilões. Há de dois tipos. Os primeiros são uma manada de dinossauros carnívoros que segue a manada dos nossos heróis para poder ter uma refeição decente. O segundo é Kron, o auto-declarado líder da manada dos nossos heróis, que é retratado como um dinossauro ‘mauzinho’, que quer chegar ao vale por motivos egoistas e que não se interessa se o resto da manada chega lá com ele ou não. Na realidade creio que Kron é aquilo que eu apelido de ‘falso vilão’, ou seja, uma personagem que alguém decide que tem que ser o vilão, por isso tudo o que faz ou diz é interpretado da forma mais pessimista possível, só para forçar uma tensão. (Em ‘Up’ da Pixar, acontece a mesma coisa). Na minha perspectiva, Kron não faz assim nada de muito errado, atendendo às circunstâncias em que está, mas o filme apresenta todas as suas atitudes com uma má conotação. Na verdade, Aladar tem atitudes em muito semelhantes, mas como as fraseia de uma forma um pouco diferente já é o herói. E para terminar, há também um interesse amoroso oco, ou seja, uma jovem dinossaura por quem Aladar se pode apaixonar e ter um futuro, quando finalmente chegarem ao vale.

Com apenas 75 minutos, o argumento de ‘Dinosaur’ é surpreendentemente pouco surpreendente. Se agora isto já é comum em filme de animação por computador, directa consequência da massificação e da necessidade de cada estúdio ter que lançar um ou mais por ano, em 2000 isto não era bem assim e a Disney já nos tinha habituado a formas muito mais inteligentes de apelar quer a crianças, quer a adultos, simultaneamente. Felizmente, esta tendência, que ainda imperou na Disney quase uma década, está a ser contrariada com os seus filmes mais recentes ‘The Princess and the Frog’ (2009), ‘Tangled’ (2010) e ‘Winnie the Pooh’ (2011), todos eles muito bons. Por outro lado, sendo este apenas o quinto filme de animação por computador a surgir (após ‘Toy Story 1 e 2’, ‘Bug’s Life’ e ‘AntZ’) é o primeiro que claramente reduz a fasquia de qualidade e de entretenimento do novo meio. Mas por outro lado, é o primeiro a tentar apelar a um público exclusivamente infantil, o que pode ‘desculpar’ algumas coisas.

As conclusões são tão simples quanto o filme. É para se ver se se for fã de fantásticos efeitos visuais. É para se mostrar a uma criança pequena porque irá desfrutar imenso das imagens e das paletes de cores. Mas os fãs da Disney mais crescidinhos (não lhes chamarei adultos!) vão encontrar muito pouco de interesse em ‘Dinosaur’. É um filme que sofre claramente do que apelido da ‘Síndrome de Avatar’. Efeitos especiais fabulosos. Uma história péssima, digna apenas de miúdos de seis anos (mas só aqueles que não viram outros filmes da Disney ou ‘The Land Before Time’).

0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

The Boss Baby

Ano: 2017 Realizador:  Tom McGrath Actores principais (voz): Alec Baldwin, Steve Buscemi, Jimmy Kimmel Duração: 97 min Crític...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates