Home » , , » Fitzcarraldo

Fitzcarraldo

Ano: 1982

Realizador: Werner Herzog

Actores Principais: Klaus Kinski, Claudia Cardinale, José Lewgoy

Duração: 158 min

Crítica: Um gigantesco barco de 300 toneladas está a ser arrastado, através de um intrincado sistema de cordas e roldanas e com a força bruta de centenas de indígenas, pela encosta de uma montanha, no interior da América do Sul, no final do século XIX. Está é a imagem icónica de ‘Fitzcarraldo’, a obra-prima de Werner Herzog. Esta é a imagem que permanece na história do cinema, e aquela que define não só o clímax do filme, mas toda a sua essência. Hoje em dia, esta cena seria rodada no interior de um estúdio e as equipas da ILM ou da Weta realizariam os efeitos especiais necessários em menos de uma semana. Em 1982, Herzog criou este cenário realmente (com a ajuda invisível de um buldozer), corroborando a sua condição de excêntrico e megalómano realizador, o que se adequa à psicologia das personagens principais dos seus grandes filmes, todas elas interpretadas por Klaus Kinski.

Aliás, ‘Fitzcarraldo’ parece ser uma espécie de sequela não oficial de outra considerada grande-obra de Herzog, ‘Aguirre, der Zorn Gottes’ (1972). Nesta Kinski interpreta um explorador espanhol que, no século XVI, lidera uma expedição pelas florestas da América do Sul à procura do El Dorado. À medida que os membros da expedição vão morrendo ou desaparecendo devido à fome, às intrigas gananciosas ou aos ataques de índios, Aguirre (Kinski), perdido na floresta, fica cada vez mais megalómano e doido. Este paranóico arco psicológico, da personagem e do filme, estão reflectidos claramente em ‘Fitzcarraldo’. Kinski, sempre com os seus olhos esgrouviados, cabelo desgrenhado e ar paranóico, vive numa remota cidade colonial no Peru. A sua paixão é a Ópera e o seu sonho é construir uma ópera na selva, onde o grande Caruso possa cantar. Sem dinheiro, e auxiliado por Claudia Cardinale, a madame de uma casa de prostitutas (a sua musa), aceita a comissão da exploração das árvores donde se produz a borracha numa área praticamente inacessível no meio da selva. Subindo o rio a área não pode ser alcançada devido à existência de rápidos, portanto Fitzcarraldo forma o plano de subir um rio paralelo (numa região perigosamente habitada por índios hostis) e, perto da nascente, passar o barco de um rio para o outro através da pouca centena de metros de selva. Obviamente o seu plano é secreto e há uma sensação de que a missão está condenada desde o princípio. A subida do rio poderá ser equiparada às homólogas cenas de ‘Apocalypse Now’ (1979), embora pareça dar a sensação de estar ainda mais bem construída, e da tensão estar ainda mais latente. A tripulação começa a ficar hostil, e o ataque dos índios iminente. Pouco tempo mais tarde só Fitzcarraldo e mais três membros ficam vivos num barco gigantesco. E depois há a aparição dos índios que tomam Fitzarraldo e o barco como um deus e os ajudam na épica mas inevitavelmente condenada transição entre rios, o clímax, uma breve sensação de sucesso que esconde um desfecho mais trágico, senão para as personagens em si, pelo menos para a sua alma. Ou não?

A verdade é que, ao contrário de ‘Aguirre’ em que o próprio filme se perde na sua paranóia e portanto perde interesse (pessoalmente ‘Aguirre’ enfada-me e não o considero uma grande obra-prima), ‘Fitzcarraldo’ tem uma construção épica e extremamente cativante. A personagem está brilhantemente formada; os seus objectivos são magnânimos (a Ópera) mas os seus meios patéticos (até a sua musa é uma prostituta). A subida do rio está filmada de uma forma genial e a épica transição na montanha é um marco da história do cinema. Mas depois o que é que se revela? O final é ambíguo e discuti-lo sem o mencionar é difícil. Até cerca de 2h10min o filme é uma obra-prima, mas a última meia hora faz perder uma importante parte da sua força. A ênfase na glória (mesmo que efémera) é pouca e o contraste com a queda está pouco acentuado. O que ganhou Fitzcarraldo com a expedição, e qual é o seu futuro? O seu ser é tão patético que se substituir o gramofone que constantemente toca ópera no topo do navio por meia dúzia de músicos reais, se sente realizado, mesmo que tudo o resto tenha falhado? O seu feito épico, do ‘homem que move montanhas’, eclipsa-se porque Caruso nunca irá à sua cidade. Portanto, o que sobra?

O filme ‘Fitzcarraldo’ parece ser como a sua personagem principal. Promete mover o mundo mas depois acaba como mais uma coisa banal. Obviamente, isto é a vida, e nessa constatação pode estar o seu segredo. Cinematograficamente perfeito, de uma velha escola que, devido aos efeitos especiais, nunca voltará, o filme de Herzog é um marco de fazer cinema puro e verdadeiro, real, nos locais, megalómano na sua concepção, épico no produto final, mas paradoxalmente simples na sua mensagem. A sensação de vazio que poderá deixar no fim prova que o filme é rico e cheio, porque só o que influencia ao ponto de afectar as emoções é que constitui o cinema que vale a pena ver. Este é o melhor filme de Herzog (que continua a fazer filmes e principalmente documentários) e talvez a melhor performance de Kinski.


0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

Histoire(s) du cinema: John Williams Filmworks (1997); ou o primeiro CD que comprei

Acho que toda a gente se lembra do primeiro disco de música que comprou. Pois bem, o meu foi o CD de compilação ‘John Williams Filmworks’ ....

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates