Home » , , » Django Unchained

Django Unchained

Ano: 2012

Realizador: Quentin Tarantino

Actores principais: Jamie Foxx, Christoph Waltz, Leonardo DiCaprio

Duração: 165 min

Crítica: Quentin Tarantino tem, na sua carreira de realizador/argumentista uma grande falha. Não consegue ter ideias de base originais. Contudo, se a base lhe for dada, consegue, a partir dela, desenvolver filmes especiais e únicos, com personagens e argumentos muito bem trabalhados e situações que chegam ocasionalmente a roçar o brilhantismo. Na óptica do historiador de cinema os seus filmes pecam por ser demasiado dependentes das situações originais, mas esta falha não é vislumbrada pela maioria dos espectadores modernos. Melhor que ninguém, Tarantino consegue transformar o kitsch da história do cinema em cool. E os seus filmes apresentam-se como épicos cools.

Tendo como base o filme ‘Django’ (1966) e as suas múltiplas sequelas (1967, 1968, 1969, 1987) ‘Django Unchained’ não é apenas mais um desses épicos cools, é talvez o melhor épico cool que Tarantino alguma vez produziu. E atrevo-me a afirmar mais, é talvez o melhor western que apareceu no grande ecrã desde ‘Unforgiven’ (1991) de Clint Eastwood.

A primeira parte do filme desenvolve-se como um western bem construído, à la Leone, e aparenta ser uma história de caçadores de prémios. Christoph Waltz, de fala erudita e rápido com o gatilho, liberta o escravo Jamie Foxx (Django) pois este conhece a identidade de três homens que têm a cabeça a prémio. Juntos perseguem estes homens mas esta história esgota-se depressa. A segunda parte do filme é menos um western e mais um épico sulista, com os dois homens a juntarem forças mais uma vez para libertarem a mulher de Django que foi comprada por Leonardo DiCaprio, o rico dono de uma plantação de algodão. Esta parte é mais lenta e detém todas as características de Tarantino, construção pausada e com muita oratória, cenas tensas em que pouco acontece e a explosão em (múltiplos) banhos de sangue. Esta é talvez a grande falha do filme. Os banhos de sangue não são tão bem construídos. Verdade que uma das falhas de ‘Inglorious Basterds’, a exagerada conversa, mais do que aquela que devia suster o ritmo do filme, é ultrapassada. ‘Django Unchained’ é um filme que, nas suas quase três horas, não leva ninguém a olhar para o relógio. Por outro lado (e talvez por questões de tempo) falta a tensão necessária para que o banho de sangue seja justificado. Simplesmente acontece. Mas se acontecesse de repente, de surpresa, para chocar, seria aceitável. Mas neste caso sabemos que ele vai chegar, contudo Tarantino não estica a corda o suficiente. Em 'Basterds' esticou-a demais até partir. Aqui não vai até ao limite.

De resto, o filme é (quase) tecnicamente perfeito. É um virtuoso western spaghetti, uma história de vingança em linha recta, muito bem escrita e protagonizada, com muito sangue à mistura e um camião de estilo. Na verdade as falhas estão no facto de que toda a gente está ali a divertir-se, o que desvirtua o filme. Quando o próprio Tarantino aparece como um traficante de escravos australiano, completo com o sotaque australiano actual (sim, porque em 1850, mal estava a terra a ser colonizada, já falava tudo com aquele sotaque!), vê-se mesmo que ele está ali pelo gozo e não por nenhuma verdade cinematográfica.


‘Django Unchained’ é o western spaghetti da era moderna, o que ele seria nos anos 1960 se houvesse dinheiro e grandes actores para o fazer. Waltz é, de novo, brutal, e DiCaprio surpreende. Contudo, é com surpresa que vejo este filme nomeado para os grandes prémios (incluindo melhor filme). Tarantino não trás só o cool, trás também prestígio a um género que há trinta anos era encarado como uma forma de cinema menor. ‘Django Unchained’ é muito bom, é verdade, muito melhor que qualquer spaghetti, mas não é nada quando comparado com as obras-primas de Leone. Leone nunca ganhou um Óscar. ‘Once Upon a Time in the West’ (1968) é mil vezes o filme que 'Django' é, e não foi nomeado para um único Óscar. A brilhante química entre Juan e Sean (Rod Steiger e James Coborn) em ‘A Fistful of Dynamite’ (1971) parece ressoar na relação entre Foxx e Waltz, mas quem se lembra desse filme hoje? Talvez apenas Tarantino, que mais uma vez usa o espólio de Ennio Morricone em vez de uma banda sonora original.

Tarantino fez de novo o que sabe fazer melhor. Pegar em vinte filmes obscuros e transformá-los numa obra-prima cinematográfica que apela às novas gerações. A alma é pouca (embora tenha sem dúvida alguma) e a fachada é tudo. Este é a lei do cinema, segundo Tarantino.

1 comentários:

  1. Agora que sou seguidor, espero a visita no Linguado, que também tem crítica (normalmente selvagem e desviada) de cinema...
    http://olinguado.blogspot.pt/search/label/cinema

    ResponderEliminar

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

Histoire(s) du cinema: John Williams Filmworks (1997); ou o primeiro CD que comprei

Acho que toda a gente se lembra do primeiro disco de música que comprou. Pois bem, o meu foi o CD de compilação ‘John Williams Filmworks’ ....

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates