Home » » Os livros da minha estante: “Film Music: From Violins to Video” de James L. Limbacher

Os livros da minha estante: “Film Music: From Violins to Video” de James L. Limbacher

Em EU SOU CINEMA já escrevi sobre muita coisa, mas esta semana apercebi-me que nunca tinha escrito sobre um livro de cinema. Como qualquer cinéfilo, a minha estante transborda, não só de filmes, mas de livros sobre esta maravilhosa arte. Não tenho poucos, mas também não tenho muitos. Tenho os suficientes. 

Há muitos livros redundantes, ou que não dizem nada, ou que só são fofoca, ou que são apenas listas dos filmes da praxe. Esses não me interessam. O que eu gosto é de um bom livro sobre um bom realizador ou actor, como por exemplo o mítico livro de Truffaut sobre Hitchcock ou a série Masters of Cinema do Cahiers du Cinéma. Gosto de um bom livro sobre “os filmes a ver” desde que a selecção tenha qualidade e os textos sejam bons (como por exemplo as míticas obras por década da Tashen). Gosto de uma boa autobiografia, desde que não seja um corrido de lugares comuns (alguma vez leu, caro leitor, os geniais livros da autoria de Hayao Miyazaki?!). E depois gosto de algumas obras misteriosas que, apesar de não terem passado para a posteridade, foram por alguma grande coincidência parar à minha estante. Hoje vou escrever sobre uma delas. Chama-se “Film Music: From Violins to Video” e foi escrito, compilado e editado por James L. Limbacher em 1974.

“Film Music” foi-me oferecido pelo meu pai há alguns anos. Não faço ideia onde o terá encontrado, mas tudo aponta que terá sido num qualquer alfarrabista, já que o meu pai é assíduo frequentador deste tipo de estabelecimentos comerciais. A capa (dura) é totalmente azul e não diz absolutamente nada. Idem para o verso. É preciso ler a lombada para sabermos o título desta obra e o seu autor. A primeira página diz-nos que o livro foi editado em 1974 pela The Scarecrow Press, INC, em Metuchen, N. J., e a página seguinte que o livro é dedicado “aos compositores de filmes cujos talentos tornaram os filmes ainda melhores do que poderiam ter sido”. A página grossa com o cheirinho a livro antigo, bem como o tipo de letra, não justificado, que parece saído de uma máquina de escrever, dão a este pesado volume de 835 páginas a aura de um grande clássico. E é. Deixem-me explicar-vos porquê.


O livro está dividido em duas partes. A primeira parte, que ocupa sensivelmente as primeiras 200 páginas é constituída por nada menos que 52 artigos diferentes. Estes artigos, cuidadosamente seleccionados por Limbacher a partir de uma série de jornais e revistas da especialidade dos anos 1940 (o artigo mais antigo é de 1946) aos anos 1970 (o artigo mais recente é de 1972) estão distribuídos por sete temas: i) Os primórdios; ii) Teorias e comentários; iii) Técnicas; iv) Compondo para o filme dramático; v) O filme espectáculo; vi) Música clássica no grande ecrã; e vii) Filmes animados e comédias. Mas o pormenor mais importante é quem são os autores destes artigos. Não são apenas o trabalho de jornalistas ou críticos especializados para revistas como a Film Music, escrevendo artigos pioneiros sobre a “arte” de compor música para filmes (como lhe chama Loren G. Buchanan no seu artigo), a sua evolução ao longo das décadas, ou críticas a bandas sonoras específicas, de ‘The African Queen’ (texto por John Huntley) a ‘The Third Man’ (texto por William Hamilton). O livro inclui também (um enorme ponto de destaque) crónicas assinadas pelos grandes génios que moldaram esta arte.

Assim, por exemplo, o mítico compositor, vencedor de 4 Óscares, Dimitri Tiomkin escreve na primeira pessoa o que é “Composing for Films”. Miklós Rózsa conduz o leitor pela sua banda sonora de ‘Julius Caesar’ (1953) e noutro artigo pela de ‘Quo Vadis’ (1951). O grande realizador russo Sergei Eisenstein escreve em “P R K F V” como é colaborar com Sergei Prokofiev. Elmer Bernstein escreve sobre o ano e meio em que trabalhou a compor a partitura de ‘The Ten Commandments’ (1956). A lenda Sir William Walton escreve sobre o que é compor “Music for Shakespearean Films”. Etc, etc, etc. Como tal, esta primeira parte apelará quer a músicos e cineastas, pela especificidade e a segurança dos textos, quer a cinéfilos e apaixonados por bandas sonoras em geral, provavelmente pelos mesmos motivos. O equilíbrio entre o teórico e o amor à arte está presente em cada página, e é isso que torna este livro, como dizem os ingleses, um “page turner”…

Mas isto são apenas as primeiras 200 páginas. Em que consistem então as restantes 600? Numa frase: uma mega base de dados. Recorde-se, caro leitor, que só há muito pouco tempo, cortesia da internet, passamos a ter na ponta do dedo acesso a toda e qualquer informação. Se não sabemos quem compôs a banda sonora de ‘Quo Vadis’, se existem ou não CDs editados da banda sonora, ou em que outros filmes trabalhou o mesmo compositor, demoramos cerca de um minuto a descobrir se tivermos um computador, um tablet ou um telefone por perto. Mas em 1974 esta informação era apenas acessível a poucos dedicados em alguns locais selectos com umas horas valentes para gastar em pesquisa. “Film Music” contém um épico exemplo de uma destas pesquisas. Não faço ideia, mas é bem capaz de ser a pesquisa mais completa até à data.


O Capítulo IX, “Film Titles and Dates” lista as centenas de filmes mencionados ao longo de todo o livro (quer na primeira parte, quer na segunda) por ordem alfabética. O capítulo X “Films and their Composers” repete esta lista, mas por ordem cronológica e acrescentando o nome do compositor e do estúdio que produziu o filme (ou o país no caso do filme não ser inglês ou americano). O Capítulo XI “Composers and their Films” é o crème de la crème, já que lista as biografias cinematográficas de cada compositor, ou seja, lista todos os filmes para os quais compuseram a banda sonora. Não é o imdb, mas é quase. É uma lista exaustiva e incrivelmente completa que se estende por duas centenas de páginas. Finalmente, o Capítulo XII “Recorded Musical Scores” lista, de novo de uma forma incrivelmente exaustiva, todas as bandas sonoras editadas em disco ou cassete até à data, incluindo o nome da editora e os números de série desse, ou desses lançamentos. Por exemplo são listados mais de 30 números de série para diferentes bandas sonoras editadas de ‘Gone With the Wind’. Como se não bastasse, o livro ainda termina com um índice remissivo.

Tudo somado, “Film Music: From Violins to Video” é um livro massivo e um autêntico marco do género. É uma verdadeira bíblia das bandas sonoras; o tipo de livro do qual todos os cinéfilos apaixonados por música de filmes teriam de depender se não houvesse aquela coisa chamada internet. O trabalho de pesquisa e compilação, numa altura em que tinha de ser tudo feito em arquivos e bibliotecas, é estonteante. A segurança da informação é inquestionável. A qualidade dos textos é tão boa quanto os mestres musicais que os escreveram. É ter a história integral da banda sonora do cinema de Hollywood (com alguns pozinhos estrangeiros) até à década de 1970 na palma da mão. E se algum dia o digital nos falhar, são bases de dados literárias como estas (que não podem ser esquecidas ou deitadas fora) que conservarão o conhecimento para as gerações futuras. Obviamente que hoje não consulto este livro pelas suas bases de dados, pois a internet dá-me o que preciso muito mais rapidamente. Mas é confortante saber que um dia já foram muito úteis. E se num dia de tempestade a electricidade falhar, não vou deixar de poder obter a informação que quero. E claro, há sempre os textos teóricos da primeira parte; insubstituíveis e provavelmente muito difíceis de encontrar na internet…

Se é um aficionado de bandas sonoras, caro leitor, então este livro raro é um item obrigatório para a sua estante, porque tem um enorme valor histórico. Eu não tenho muitos livros sobre música de filmes, mas este está sem dúvida no meu TOP 3, juntamente com o extenso “A History of Film Music” de Mervyn Cooke, e do grande trabalho de amor dos irmãos espanhóis Heriberto e Sergio Navarro Arriola “Mùsica de cine: historia y colecionismo de bandas sonoras”. Mas a descrição destes livros fica para próximas crónicas.

0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

The Guns of Navarone

Ano: 1961 Realizador:  J. Lee Thompson Actores principais:  David Niven, Gregory Peck, Anthony Quinn Duração: 158 min Crítica: ...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates