Home » , , » Histoire(s) du cinema: John Williams Filmworks (1997); ou o primeiro CD que comprei

Histoire(s) du cinema: John Williams Filmworks (1997); ou o primeiro CD que comprei

Acho que toda a gente se lembra do primeiro disco de música que comprou. Pois bem, o meu foi o CD de compilação ‘John Williams Filmworks’. Corria o ano de 1998. Tinha 13 anos de idade.

Talvez porque os meus pais não eram muito dados à música (ou se eram, não o partilharam comigo) não cresci com grandes preferências musicais. Claro que fui ouvindo sempre as músicas para crianças e acompanhei a mítica idade de ouro da Disney no início dos anos 1990, mas nunca fui introduzido, ao contrário de outros colegas, aos grandes músicos e intérpretes do século XX. Só muito mais tarde, quando andava no secundário e nos primeiros anos da universidade, é que comecei realmente, sozinho, a explorar o século XX musical, acabando por me focar mais na vertente do rock e metal sinfónico (culpado!). Até lá, e como desde cedo comecei a ver e a amar cinema, para mim a música que existia era a música dos filmes: as bandas sonoras.


Considero que tive sorte, muita sorte, em ter crescido durante as duas últimas décadas de ouro da banda sonora instrumental sinfónica; os anos 1980 e 1990. Hoje a banda sonora instrumental está outra vez esquecida. O seu papel já não é visto como uma afirmação temática e emocional mas apenas como “ambientação”, enterrada como está por baixo dos massivos efeitos sonoros e dilacerada pelas batidas modernas, anti-melódicas, que caracterizam o mundo da música actual. Mas nos anos 1980 e 1990, nomes como Ennio Morricone, James Horner, John Williams, Patrick Doyle, Thomas Newman, Alan Menken ou Basil Poledouris eram reis, e os realizadores e editores tinham um enorme respeito pelas suas composições, que brilhavam ao longo de todo o filme, de genérico a genérico.

Aos 13 anos de idade para mim não havia ninguém melhor que John Williams (e ainda hoje não há, salvo Ennio). O homem tinha composto o tema de todos os meus filmes preferidos à excepção de ‘Back to the Future’ (esse é de Alan Silvestri). Era seu o tema de ‘Star Wars’. Era seu o tema de ‘Indiana Jones’. Era seu o tema de ‘Superman’. Era seu o tema de ‘Jurrasic Park’. O homem era deus. Mas se eu queria ouvir as suas composições só havia uma coisa que podia fazer: pôr os VHS no leitor e fazer um fast forward até ao genérico (quantas vezes não ficava a ouvir duas ou três vezes os genéricos finais…).

Mas tudo isso mudou nesse mítico dia de 24 de Agosto de 1998 (sim, conservei o talão!) em que fui com a minha família a um hipermercado. Na altura, não havia assim tantos hipermercados na minha cidade (um ou dois talvez) por isso uma ida destas era uma verdadeira aventura. Depois das compras, a minha mãe deixou-me ir dar uma voltinha na loja de multimédia. Era uma daquelas lojas que, tanto quanto me lembro, só tinham praticamente discos e alguns VHS. E foi aí que eu o vi. O CD de capa alaranjada ostentando as palavras “John Williams” e uma imagem de uma antiga máquina de filmar. Peguei nele e nem precisei de o virar. Lá estavam escritos na capa os nomes mágicos dos “meus” filmes: ‘ET’, ‘Jurassic Park’, ‘Raiders of the Lost Ark’. O dia tinha chegado para eu fazer aquilo que já há algum tempo sabia que tinha de fazer: comprar uma banda sonora.


Como já escrevi nestas páginas, sempre fui poupadinho nas mesadas e nas prendas que recebia. Nunca gastei em coisas efémeras (como doces ou chocolates) para poder gastar em coisas mais permanentes que realmente gostava, quer fosse o modelo de um avião ou, descobria nesse mesmo instante, um CD de música. Por isso tinha o dinheiro necessário para fazer esta tão preciosa compra, ainda na moeda antiga: 2.530 escudos (cerca de 12,5 Euros). Já não me lembro se o tinha comigo ou se pedi à minha mãe para o comprar e depois lhe paguei. Mas o que importa é que o disco foi para casa comigo e fui *eu* que o comprei.

Foi maravilhoso. Não tenho a certeza se já tinha ou não nesta altura o meu mítico “tijolo”, o leitor de cassetes e CDs que me acompanhou na adolescência. Mas aí ou algures pela casa ouvi e re-ouvi este CD durante semanas a fio. Foi o meu primeiro grande contacto íntimo com a música, em que só eu e ela existíamos no universo próprio que só a boa música pode gerar no imaginário de um fã. Vibrei com os grandes temas da minha infância vezes sem conta. E apaixonei-me por temas de filmes anos antes de os ver pela primeira vez, como o de 'The Eiger Sanction' (1975), ‘Always’ (1989) ou ‘Far and Away’ (1992). Aliás, a banda sonora de ‘Far and Away’ tornou-se a minha preferida e já sabia toda partitura de cor quando anos mais tarde finalmente vi o filme. Por fim, o livrete de quinze páginas, contendo comentários sobre a carreira de Williams e Steven Spielberg, bem como um resumo crítico de todos os filmes e temas incluídos, foi o primeiro “livro” de cinema que li.


Ainda hoje, 19 anos depois, mantenho um carinho especial por este CD (continua a ser um dos melhores que possuo), e conforta-me quando o retiro da estante e o ouço. A beleza dos temas que contém nunca se esgota, mas acima de tudo é uma parte intrínseca de mim. Foi um pequeno passo na minha emancipação. Foi uma plataforma de descoberta de filmes que desconhecia. Foi a porta de entrada no género musical que ainda hoje é o meu preferido. Foi a primeira pedra na minha colecção pessoal de bandas sonoras que, modéstia à parte, até é considerável e inclui alguns itens raros. Foi o início de uma relação apaixonada, para toda a vida. 

Esta foi a minha histoire du cinema sobre a primeira banda sonora que comprei. Qual é a sua, caro leitor?

0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

The King's Speech

Ano: 2010 Realizador:  Tom Hooper Actores principais:  Colin Firth, Geoffrey Rush, Helena Bonham Carter Duração: 118 min Crítica...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates