Home » , , , , » An Extremely Goofy Movie

An Extremely Goofy Movie

Ano: 2000

Realizador: Douglas McCarthy

Actores principais: Bill Farmer, Jason Marsden, Jeff Bennett

Duração: 76 min

Crítica: 'An Extremely Goofy Movie', lançado directamente-para-VHS no ano 2000, é a sequela do fantástico (e eu quero mesmo dizer fantástico!) 'A Goofy Movie' (já criticado em EU SOU CINEMA). 'A Goofy Movie', a primeira longa metragem dedicada à personagem do Pateta, foi o terceiro filme do DisneyToon Studios, um estúdio subsidiário da Disney, fundado no início dos anos 1990 com o objectivo de capitalizar no então emergente mercado de VHS e dar oportunidades a novos talentos, produzindo filmes das grandes séries do Disney Channel (como o grande 'DuckTales the Movie', 1993), ou sequelas menores dos mais famosos filmes de animação da Disney. Desde então, o DisneyToons tem lançado vários filmes por ano, nunca se acanhando em produzir mais sequelas dos seus próprios filmes conforme necessidade. 'Lion King 2' (1998), por exemplo, teve a sequela 'Lion King 1/2' (2004) já na era do directo-para-DVD. Mais recentemente tivemos o sucesso do spin-off de 'Cars'; 'Planes' (2013 - tão bem sucedido que até foi lançado no grande ecrã), seguido de 'Planes: Fire and Rescue' (2014). E claro, o estúdio agora anda dedicado a produzir todos os filmes da Sininho (seis filmes desde 2008). Mas nos anos 1990, se o estúdio tinha uma jóia da coroa a pedir sequela, então essa jóia era o soberbo (a sério, não há palavras para descrever este filme) 'A Goofy Movie', um enorme sucesso crítico e até comercial. 

Infelizmente a sequela deixa bastante a desejar e, na minha humilde opinião, mais valia não ter sido feita, já que a sua qualidade é tão fraca em termos cinematográficos (talvez seja melhorzita se o considerarmos em termos de entretenimento infantil), que praticamente constitui uma ofensa ao filme original.

Visto que o realizador de 'A Goofy Movie', Kevin Lima, já tinha avançado para coisas mais ambiciosas ('Tarzan', 1999), 'An Extremely Goofy Movie' ficou a cargo de Douglas McCarthy, realizador de séries animadas dos anos 1990 como 'Taz-Mania' e animador de outras tantas como 'Tiny Toons', aqui no seu primeiro (e único até hoje) filme como realizador. O resultado não é contudo completamente insatisfatório. Tal como outras sequelas da Disney realizadas ao longo dos anos 1990 e 2000 sem passagem pelo grande ecrã (ou seja feitas directamente para VHS ou DVD), 'An Extremely Goofy Movie' tem excelentes visuais e soberbos desenhos, exacerbados por backgrounds coloridos por meios informáticos que fascinarão as crianças e os adultos mais sensíveis à arte da animação (a sério, experimentem ver por exemplo 'Lady and the Tramp II: Scamp's Adventure', 2001, em blu-ray - brutal!). O problema, como sempre nestes filmes menores feitos apressadamente, é que a sua historieta é extremamente pobre e não faz jus ao visual.

O primeiro filme é, sinceramente, uma das melhores obras animadas sobre a relação pai/filho alguma vez feita (e já se fizeram muitas). A sua simplicidade e beleza narrativa é um trunfo, e a sua alegria cómica aliada a uma moral sobre o crescimento é um triunfo. Já o segundo filme está a milhares de anos luz de distância. Este filme apanha Max, o filho de Pateta, pouco tempo depois do primeiro filme terminar, a caminho do seu ano de caloiro na faculdade. Ansioso por finalmente sair da casa paterna, Max vai cheio de esperanças para a cidade universitária, como outrora, no primeiro filme, havia saído de casa cheio de sonhos para o Verão que se aproximava. Contudo, a sua diversão no típico campus americano e a sua longa esperada liberdade são postas em causa com a chegada do próprio Pateta. Cheio de saudades do filho e depois de perder o emprego e sem um diploma para conseguir arranjar outro, Pateta decide inscrever-se na mesma Universidade! Ups. O desespero de qualquer filho, certo?! Principalmente se o seu pai é o Pateta! Esta premissa até de certa forma interessante é contudo parcamente explorada. Max tem a necessidade de encontrar o seu lugar na imensa horde de estudantes (os cool, os alternativos, os nerd), mas o enorme catalisador do arco clássico do inicial desentendimento e posterior entendimento entre pai e filho (que, com a sua viagem, havia sido o segredo do primeiro filme) aqui acaba por ser representado sob a forma banal de uns jogos radicais universitários, com Max e o pai a irem parar a equipas rivais... (Numa nota, tenho para mim que toda a história dos jogos universitários deste filme foi rudemente roubada pelos tipos que fizeram 'Monsters's University'...).

No desenrolar previsível da sua história, 'An Extremely Goofy Movie' apresenta o mínimo necessário, só e apenas isso, para mais ou menos imitar (sem grande sucesso) a estrutura emocional e narrativa do primeiro filme. Já não é um grande filme coming of age. Já não há aquele arco magnífico na história entre o pai e o filho. O argumento já não está bem escrito; está cheio de situações extremamente forçadas para conceber os clássicos momentos de tensão e dilema, e quase todas as personagens que possui são estereotipadas. E a sua moral final sai directamente de uma linha de montagem. Mesmo assim, há ainda algumas (embora poucas) coisas que ainda chamam a atenção pela positiva, algum dialogo mais bem construído, alguma sequência mais bem trabalhada, que nos permitem por momentos recapturar a essência da série 'Goof Troop', no qual estes filmes se baseiam, e claro, a magia do primeiro filme. O melhor momento surge num pequeno pormenor surrealmente delicioso, quando uma personagem pergunta, olhando para as suas próprias mãos, porque é que eles, as personagens do universo 'Pateta', estão sempre de 'luvas'?! À falta de melhor, é engraçado.

Mas no global, na minha perspectiva, o filme só consegue realmente ser bem sucedido (talvez seja esse o seu objectivo) no departamento de arranjar todos os possíveis artifícios para fazer com que um conjunto de crianças fique a olhar para a televisão sem se distrair muito durante 75 minutos. A sua oca profundidade, a sua moral de trazer por casa, e os seus desenhos coloridos e, passe a redundância, animados, provavelmente cumprirão sem grande dificuldade esse objectivo. Falta é o resto, que o filme não dá por um motivo muito simples: não tem. Este filme não foi feito, como o primeiro, do coração. Este filme foi feito para fazer mais uns trocos, impingir o DVD (um formato que então tinha acabado de sair) aos pais e para mais tarde encher a programação do Disney Channel. É um filme feito para os pais porem as suas crianças a ver num sábado de manhã, para estas acalmarem durante uma horita, e que certamente esquecerão passados trinta segundos do final. Poder-me-ão dizer que isso possibilitará que as crianças possam vê-lo vezes sem conta, rentabilizando assim o investimento dos pais, mas não é a mesma coisa do que ver e rever um filme por prazer, como revemos 'Beauty and the Beast' ou o próprio 'A Goofy Movie'.

'An Extremely Goofy Movie' não tem, repito, não tem absolutamente nada a ver com a magistral obra prima que, muito sorrateiramente, sem ninguém se aperceber disso, foi concebida no primeiro filme faz agora vinte anos. Esse é o imortal, esse é o que deve figurar nos livros da especialidade e passar de pais para filhos como um legado emocional. Já 'An Extremely Goofy Movie' tem muito pouco de emocional para oferecer, e ainda menos para o adulto que gosta de animação. Resta-nos a esperança de que poderá ser uma delícia para as crianças e os pré-adolescentes (mas só eles o poderão dizer, não eu). Isto é, uma delícia apenas no momento em que o estão a ver. Se alguma vez precisarem de uma delícia intemporal, para criarem memórias e afectos, para aprenderem a crescer, e reconhecerem o valor dos seus pais, não irão encontrar nada disso aqui. Mas para isso é que existe, agora e sempre, o original 'A Goofy Movie'...

0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

The Boss Baby

Ano: 2017 Realizador:  Tom McGrath Actores principais (voz): Alec Baldwin, Steve Buscemi, Jimmy Kimmel Duração: 97 min Crític...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates