Home » , , » Colombiana

Colombiana

Ano: 2011

Realizador: Olivier Megaton

Actores principais: Zoe Saldana, Michael Vartan, Callum Blue

Duração: 108 min

Crítica: Na categoria de filmes de 'assassinos profissionais', 'Colombiana' é, sem dúvida, uma das melhores entradas recentes. Isto não será certamente por acaso, já que o argumento é assinado por Luc Besson, que sozinho praticamente inventou o formato moderno deste género com 'Nikita' (1990) e 'Leon' (1994). Talvez não escolhendo os melhores dos seus argumentos para realizar ('Artur e os Minimeus'?!), Besson tem produzido nos últimos anos argumento atrás de argumento de acção, apesar de muito inconstante (é só comparar 'Bandidas' de 2006 com 'Taken' de 2008). E 'Columbiana' não tem escrúpulos nenhuns em retirar influências claras das melhores destas entradas.

A surpresa de 'Colombiana' no entanto, não está nas suas cenas de acção. Tirando o final climático de bailado balístico e explosivo, há muitas poucas cenas de acção nua e cura dignas de registo ou que já não foram feitas antes. Por outro lado, a assassina, Cataleya, interpretada com um quase profundo instinto felino por uma deslumbrante Zoe Saldana, não tem a impetuosidade nem a dedicação de outras personagens de Besson, como Liam Neeson em 'Taken'. Mas 'Colombiana' tem uma (quase) credível história base, uma profundidade emocional claramente superior a outras entradas do género, e as acções da 'assassina' bem como o desenrolar das cenas não são gratuitas, mas perfeitamente justificáveis. Para além do mais, é dos poucos filmes do género em que as causas e as consequências dos actos da 'assassina', dos polícias que a perseguem e dos mauzões são ponderadas e reflectidas no ecrã.

A história é uma de vingança. Cataleya viu os seus pais (da mafia colombiana) serem mortos à sua frente. Consegue fugir e ir ter com o tio na América (embora seja pouco credível como é que uma miúda de 10 anos consegue escapar a 50 capangas com metralhadores pelas ruas de Bogotá!). Treina como assassina e, 15 anos mais tarde, deixa um rasto grande de cadáveres, à medida que aperta o cerco aos assassinos de seus pais. Por um lado, O FBI persegue-a, por outro, o contrabalanço emocional é dado pela relação fugaz que mantém com Michael Vartan, que desconhece a sua verdadeira identidade. São estas cenas que tornam a personagem credível, já que os seus feitos como assassina não o fazem assim tanto. Contudo, o argumento de Besson é sempre inventivo. O filme tem mais interesse na forma como Cataleya entra e sai dos locais bem guardados (uma prisão, uma mansão ultra-vigiada) onde as suas vítimas estão, do que propriamente nas cenas de luta em si. 

'Colombiana' convence como um bom filme de acção de sábado à tarde. Apresenta convincentemente os motivos que levam a assassina profissional a agir (tal como 'Leon' o fizera), mas falta-lhe uma pitada de adrenalina, e não consegue fazer com que o público tenha uma grande ligação emocional à personagem central. O público sabe que Cataleya vai vingar os pais, e torce por ela quando desfila pelas cenas de acção. Mas não está a berrar para o ecrã como estava em 'Taken', nem a sentir cada passo atrás como se fosse um golpe na sua própria cara. O realizador Olivier Megaton convence como um realizador de acção (realizaria ‘Taken 2’ em 2012), e não se esquece das cenas mais pessoais, que, sinceramente, estão muito acima das clássicas chapas 5 que pontilham os filmes de acção. Um espectador que espera muita acção não vai tê-la. Mas terá entretenimento com (alguma) substância, no estilo clássico (não para todos) de Besson, e um desfilar sexy da esguia e felina Saldana por cenas de acção; a assassina profissional mais sedutora deste Nikita. Ah, e já ninguém usava tantas condutas de ar para escapar desde os Aliens e do John MacLaine.


0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

Grandes compositores. Grandes realizadores. Grandes bandas sonoras. Grandes filmes. – Maurice Jarre e David Lean

Há uns dias na crónica ‘Grandes compositores. Grandes realizadores. Grandes bandas sonoras. Grandes filmes – introdução a um ciclo de c...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates