Home » , , » Tower Heist

Tower Heist

Ano: 2011

Realizador: Brett Ratner

Actores principais: Ben Stiller, Eddie Murphy, Casey Affleck

Duração: 104 min

Crítica: Quando eu digo que Brett Ratner é um dos melhores realizadores da nova geração, as pessoas riem-se ou coçam a cabeça. A verdade é que os velhos autores estão a ficar velhos e, com as claras excepções de Christopher Nolan e Darren Aronofsky, não surgiu na década de 2000 nenhum grande cineasta americano. Para mim, Ratner pertence a um grupo selecto de novas promessas. A questão, e o motivo pelo qual nem ele, nem eu, somos levados a sério, é que Ratner apenas fez um filme sério (‘Red Dragon’, 2002). Os restantes filmes da sua filmografia são comédias de acção/aventura. Aliás, este é dos poucos realizadores que conseguiu transportar com sucesso para o novo milénio o género tão em voga no final dos anos 1980, início dos anos 1990.

Quando eu digo que Brett Ratner é um dos melhores realizadores da nova geração, as pessoas riem-se ou coçam a cabeça (...) Pode não ser um ‘autor’, mas tem uma qualidade invulgar a lidar com actores (...) e é capaz de pegar em histórias banais blockbusterizadas e torná-las divertidas e dinâmicas"

Ratner pode não ser um ‘autor’, mas tem uma qualidade invulgar a lidar com actores, e essa cumplicidade transporta-se para o ecrã. Para além do mais, ele é capaz de pegar em histórias banais blockbusterizadas e torná-las divertidas e dinâmicas. Mas há um pouco mais do que isto no trabalho de Ratner. É só comparar o péssimo ‘Hannibal’ (2001) do conceituado autor Riddley Scott, que praticamente matou o franchise Hannibal Lector, com o surpreendente ‘Red Dragon’ de Ratner, apenas um ano depois. Se o argumento diz "e então o autocarro explode", sabemos que Michael Bay o vai filmar muito melhor que Godard, Scorcese ou Ozu. O mesmo se passa com as comédias de acção, se forem dirigidas por Ratner.

Começando a carreira como realizador de videoclips, muitas divas como Maddona, Mariah Carey e Jessica Simpson agora dificilmente fazem um videoclip sem ele. O seu trabalho tem sido praticamente todo na televisão (é o produtor, por exemplo, de ‘Prision Break’), mas no grande ecrã realizou praticamente só os três ‘Rush Hour’ (1998, 2001, 2007), bem como o terceiro X-Men (‘Last Stand’, 2006 – o melhor da saga), e o animado ‘After the Sunset’ (2004) com Pierce Brosnan e Selma Hayek. ‘Tower Heist’ é o seu último trabalho (se exceptuarmos ter realizado um dos segmentos do filme 'Movie 43' de 2013).

Ben Stiller é o gerente de uma torre de apartamentos de luxo em Nova Iorque. Lá mora o grande actor (cómico e não só) Alan Alda, que neste filme faz de gestor milionário, aparentemente muito amigo dos seus empregados. Mas Alda é um investidor de risco fraudulento, e quando é indiciado pelo FBI, o staff descobre que todo o seu dinheiro (que de boa fé, mas estupidamente, tinham dado a Alda para investir) foi, supostamente, perdido. Stiller jura vingança, o que faz com que seja despedido. Então, forma um plano: assaltar a própria penthouse da torre (visto que o dinheiro que Alda roubou, e que nem o FBI conseguiu encontrar, só pode estar lá escondido).

"O filme só verdadeiramente despoleta com o passar da primeira hora, quando Murphy entra em cena e 'treina' a equipa de ladrões. A química Murphy-Stiller é hilariante, e trás à memória a dupla Shrek-Donkey."

A pandilha de ladrões invulgares conta também com Casey Affleck, Mathew Broderick (é estranho vê-lo já na meia idade), Gabourey Sidibe (tornada famosa no filme ‘Precious’), e Eddie Murphy, um ladrão fala-barato meia-leca, vizinho de Stiller. Juntos, depois de um planeamento à la 'Ocean's 11', assaltam a torre no último terço do filme.

Este é um filme com mais camadas do que poderá parecer. Verdade que o primeiro acto demora mais de uma hora e é demasiado extenso para o tipo de filme que este pretende ser. Contudo, isso dá uma (certa) profundidade às personagens que é raro ver nestes filmes, e permite dar também umas achegas de consciência social, nestes tempos de crise financeira em que os gestores são tidos como os principais culpados. Contudo, a ‘profundidade’ não passa muito disto, e o resultado é que tempo de filme a mais é perdido nesta construção. O filme só verdadeiramente despoleta com o passar da primeira hora, quando Murphy entra em cena e 'treina' a equipa de ladrões. A química Murphy-Stiller é hilariante, e trás à memória a dupla Shrek-Donkey. Stiller está mais contido do que o habitual, mas forma o contraponto ideal com Murphy, que faz o que sabe fazer melhor, nomeadamente falar desalmadamente com uma piada por segundo. Contudo, o assalto já é menos conseguido. Claro que tem cenas hilariantes, e termina com uma sequência brilhante de suster a respiração, tirando partido da altura elevada a que se passa a acção. Durante toda esta sequência admito que tinha literalmente os olhos colados no ecrã. Mas após uma hora de construção, a verdade é que esta sequência climática é de curta duração e sabe a pouco. Este é um filme que possui uma distribuição normal – vai crescendo, atinge o seu pico a meio e depois volta a descer de intensidade. Os extremos, o início e o fim, estão muito menos trabalhados que o miolo.

"Este é um filme que possui uma distribuição normal – vai crescendo, atinge o seu pico a meio e depois volta a descer de intensidade. Os extremos, o início e o fim, estão muito menos trabalhados que o miolo."

Como de costume nestes filmes, há várias coisas difíceis de acreditar (um elevador suster o peso de várias toneladas, empregados comuns conseguirem ludibriar agentes do FBI), e a maneira como o filme se fecha no final (de uma forma "tudo está bem quando acaba ‘quase’ bem"), denota alguns 'buracos' de consistência argumental. O ‘quase’, como não podia deixar de ser, deixa a janela aberta para a sequela. Apesar destas falhas comuns neste tipo de produtos, este é um filme de acção/comédia que funciona. Não passa disso, mas para o que se propõe ser funciona, e bem. Ratner é sempre uma lufada de ar fresco do género, e o rol de actores secundários (incluindo Tea Leoni como uma agente de FBI, com química romântica com Stiller) é da mais alta qualidade.

Este é um filme que, dois anos volvidos, já quase toda a gente se esqueceu, e facilmente é descartado pelos críticos como 'mais um'. Há muito filme de acção/roubo/comédia por aí, é certo. Contudo, se é este género que procura, caro leitor, então sugiro que veja este. Para o género, está bem acima. Rir-se-á um pouco, agarrar-se-á ao seu assento um pouco, e não terá que pensar muito, enquanto torce pelos zé-ninguéns que atacam o clichézado investidor mauzão. Um reflexo daquilo que a maior parte de nós quererá fazer, no actual estado das coisas. O filme não chega a ser pungente, mas brinca traquinamente com coisas sérias e, como disse, tem personagens mais bem trabalhadas e uma acção menos superficial do que é costume neste tipo de filmes.

"Para o género, está bem acima. Rir-se-á um pouco, agarrar-se-á ao seu assento um pouco, e não terá que pensar muito, enquanto torce pelos zé-ninguéns que atacam o clichézado investidor mauzão. (...) O filme brinca traquinamente com coisas sérias e tem personagens mais bem trabalhadas e uma acção menos superficial do que é costume neste tipo de filmes."

Actualmente, quando se lêem notícias que o próximo filme de Ratner será um épico sobre Hercules (provavelmente em 3D), com Dwayne Johnson no papel principal, espero pacientemente que Ratner fique mais velho uns aninhos, e comece a aplicar as suas capacidade de realização a filmes sérios…


0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

Grandes compositores. Grandes realizadores. Grandes bandas sonoras. Grandes filmes. – Maurice Jarre e David Lean

Há uns dias na crónica ‘Grandes compositores. Grandes realizadores. Grandes bandas sonoras. Grandes filmes – introdução a um ciclo de c...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates