Home » , , » Up in the Air

Up in the Air

Ano: 2009

Realizador: Jason Reitman

Actores Principais: George Clooney, Vera Farmiga, Anna Kendrick

Duração: 109 min

Crítica: Filmes como ‘Up in the Air’ não são raros, e o seu conceito não é novo. O que é mais raro é este tipo de filme ser feito com actores do ‘mainstream’ e ter uma distribuição global subsidiada por um grande estúdio. Claro que isto era inevitável, já que o filme anterior do realizador Jason Reitman (filho de Ivan Reitman, realizador de ‘GhostBusters’ ou ‘Kindergarden Cop’) tinha sido a comédia independente ‘Juno’ (2007), um mega-sucesso de bilheteira. Contudo esta apropriação feita pelo ‘filme de estúdio’ ao ‘filme independente’ não é tão prejudicial como poderia ser. ‘Up in the Air’ acaba por ter o melhor dos dois mundos, pois é fiel aos seus valores e ao seu estilo, mas depois acaba por ter uma camada de lustro associada às grandes produções. Resumidamente é um filme simpático, fluido, que se vê bem e que, embora enverede pela moral batida da ‘vida-vale-a-pena-ser-vivida’, tem, surpreendentemente, um twist que obriga o espectador a recolocar os pés na terra e o lembra de que está a ver algo mais parecido com a realidade do que propriamente um filme.

George Clooney é mais do que uma personagem principal. É o âmago do filme. Verdade que este é o tipo de filmes que os actores conhecidos fazem de quando em quando para se expurgarem de outras produções milionárias mas com pouca qualidade artística, serem considerados como ‘actores sérios’ e ganharem prémios. Mas muita da consideração por estes actores está no argumento, nas cenas e no tema do filme e não, na realidade, na sua performance. Este não é o caso de Clooney neste filme. A sua presença é indispensável ao filme, e esta é sem dúvida uma das melhores performances da sua carreira. Na verdade Clooney não está mais brilhante nem pior do que em qualquer outra actuação. Ele é um daqueles actores que tem sempre a mesma personagem de ecrã, independentemente do papel que está a fazer. Mas neste caso (tal como no caso do filme ‘O Brother Where Art Thou’, 2000, dos irmãos Coen) a personagem adequa-se tão bem a Clooney que a simplicidade e naturalidade da sua actuação dá energia, cor e profundidade a um filme que apesar do seu argumento bem construído poderia falhar com um actor menos adequado no papel principal. A mesma fórmula, por exemplo, resultou muito pior no recente The Descendants’ (2011) de Alexander Payne, pois aí Clooney é só Clooney. Aqui Clooney é algo mais apelativo.

A história segue um arco comum. É-nos apresentada a rotina de um homem solteiro e solitário pelos seus quarenta anos, mas que contudo é feliz, pois faz aquilo que acha que gosta. A sua rotina consiste em viajar para todos os pontos da América e despedir, cara a cara, trabalhadores de empresas. Este tema do homem que dá a cara por uma corporação já tinha sido visto no primeiro filme de Reitman, ‘Thank You For Smoking’ (2005), mas enquanto aí a espalhafatosidade, o show, era central, aqui há uma intimidade nas suas entrevistas individuais, e obviamente uma tentativa de controlo emotivo por parte de Clooney para não se deixar afectar pelas vidas que está a influenciar indirectamente. Enquanto a rotina se mantém, os aviões, os hotéis, a impersonalidade, a falta de compromisso, tudo está bem. Mas quando a mudança chega, isso leva-o a reconsiderar os seus valores, o que inevitavelmente conduzirá, no final do filme, à catarse.

Esta mudança toma a forma de três mulheres. A sua irmã, que está prestes a casar-se (que o leva a reconsiderar os valores dos laços familiares e as suas visões sobre o compromisso), a novata assistente que ele tem que treinar e que significa o futuro (interpretada por Anna Kendrick) e o interesse amoroso, que aparenta ser uma versão feminina de Clooney, com as mesmas visões sobre a vida (interpretada por Vera Farmiga). Ambas estas actrizes foram nomeadas para o Óscar de Melhor Actriz Secundária (e ambas perderam para Mo’Nique no filme ‘Precious’), mas enquanto Farmiga tem uma performance interessante e consegue ser uma personalidade atraente, Kendrick é um desastre. Esta foi mais uma daquelas nomeações pelo texto do argumento e não pela representação do actor desse texto. A actriz que pouco mais fez do que entrar em filmes do ‘Twilight’ tem dificuldade em dar entoações às frases e é, na maior parte das vezes, literalmente irritante. Claro que alguns destes elementos fazem parte da personagem (uma jovem ambiciosa, melhor do curso, com ideias artificiais e teóricas mas que não sabe nada da vida real), mas mesmo a pessoa mais convencida e superficial nunca choraria da forma como Kendrick chora na sua cena ‘emocional’. OK, a cena procura ser semi-engraçada, e mostrar que nem chorar direito esta florzinha de estufa consegue. Mas, por amor de Deus, até uma criança de cinco anos que quer chantagear os pais a darem-lhe um brinquedo ou uma bolacha consegue imitar melhor um choro real do que esta actriz ‘nomeada para o Óscar’. Nunca vi ninguém chorar tão mal, em filme algum!

Tirando este e outros pormenores que fazem algum mal ao filme, ‘Up in the Air’ vai seguindo o seu curso natural de uma forma apelativa e interessante. Clooney começa a ponderar o seu estilo de vida, a sentir-se afectado pelas pessoas que despede, a ligar-se cada vez mais (pela primeira vez) a uma mulher, e volta a redescobrir-se através do amor da família e dos amigos. Contudo, o arco que parecia talhado para um final previsível de repente dá uma volta inesperada mas muito agradável de se ver (não porque é, literalmente, agradável, mas porque valoriza o filme). Este twist tem os pés bem assentes no chão, na vida real e nos dilemas dos dias de hoje, embora deixe ainda uma luz, uma réstia de esperança, pois, apesar de tudo, este filme não é deprimente, mas sim um drama ligeiro. Esta forma de terminar o filme é um trunfo forte. Eu apreciei muito os últimos dez minutos a primeira vez que vi o filme no cinema e voltei a aprecia-los hoje, ao revê-los.

Após ‘Thank You For Smoking’ e ‘Juno’, o realizador Jason Reitman continuou a provar que está muito mais à frente do seu pai em termos de qualidade artística de realização. A sua veia independente cruza-se com um apelo às massas. Se às vezes, por causa disto, os filmes têm algumas lacunas emocionais, são no entanto obras de uma simplificada qualidade e profundidade muitas vezes raras de encontrar. Este filme não é uma obra-prima, mas mereceu a atenção que recebeu, pois é suficientemente convincente e apelará à maior parte dos espectadores. Se o tema da crise e do decrescimento de empregos está subjacente à história, o filme tem a inteligência de não tornar isso o seu ponto principal, focando-se em vez disso nas personagens. Aqui está a diferença entre um filme feito chapa cinco para ser bem recebido e ser aclamado como ‘bom’ por críticos sociais, só porque fala dos desempregados, e de um filme realmente bom, porque o que o faz bom vem de dentro, do seu cerne, e não da superficialidade da sua história. Para terminar, recomendo que se veja este filme com alguém especial ao lado. Suponho que seja mais desfrutável desta maneira.

Reitman lançou recentemente o seu quarto filme, com Charlize Theron, ‘Young Adult’ (2011). Infelizmente ainda não tive o prazer de o ver. Digo ‘prazer’ pois os três filmes anteriores do realizador valeram a pena, no seu estilo contido, simpático e pessoal.

0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

The Boss Baby

Ano: 2017 Realizador:  Tom McGrath Actores principais (voz): Alec Baldwin, Steve Buscemi, Jimmy Kimmel Duração: 97 min Crític...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates