Home » , , , , » A Goofy Movie

A Goofy Movie

Ano: 1995

Realizador: Kevin Lima

Actores principais (vozes): Bill Farmer, Jason Marsden, Jim Cummings

Duração: 78 min

Crítica: Neste momento gostava de pedir ao fiel leitor para conter o riso, para que possa ler a frase seguinte com calma. Para mim, o filme da Disney de 1995, ‘A Goofy Movie’, não só é uma obra-prima, como é um dos melhores filmes sobre a ligação entre um pai e um filho alguma vez feitos.

Em 1995, eu tinha 10 anos de idade, e tenho a distinta memória de ter desfrutado deste filme imenso. Suponho que pouco mais de um ano mais tarde os meus pais compraram o VHS, pois sei que vi este filme repetidas vezes, uma e outra vez, sempre com prazer. Infelizmente, devem-se ter passado mais de dez ou quinze anos sem que o tivesse revisto (foi a minha irmã que ficou com esse VHS dobrado em português), embora tivesse sempre, durante esse tempo, algures no meu cérebro, a distinta impressão de que o filme era bom, era muito bom. Tal como o clássico ‘The Snowman’ de 1982 este filme era uma das memórias mais queridas que tinha da minha visualização de cinema em criança, mas não sabia dizer porquê. Embora desejasse rever o filme, tinha medo de que, na idade adulta, o achasse enfadonho e infantil, e aquela memória mágica se perdesse para sempre.

"Em 1995, eu tinha 10 anos de idade, e tenho a distinta memória de ter desfrutado deste filme imenso."

Em Maio de 2010, aquando do lançamento das edições douradas em DVD dos clássicos da Disney, decidi arriscar e gastei 9 euros no filme. Após mais de dez anos sem o ver a minha expectativa era grande, mas o meu receio também. Felizmente, poucos minutos depois de ter carregado ‘play’ suspirei de alívio e comecei a sorrir. Foi um prazer voltar a rever o filme, e foi como se a magia nunca se tivesse afastado de mim. Pagaria o dobro ou o triplo para ter este filme na minha biblioteca.

Uma longa-metragem sobre o Pateta demorou a chegar, mas a espera valeu a pena. Em meados da década de 1990, e com a Disney a ter receitas consideráveis no cinema com a sua segunda idade de ouro, e no mercado dos VHS com spin-offs, sequelas e reposições do seu espólio televisivo das três décadas anteriores, praticamente todas as outras personagens da companhia já tinham tido o seu próprio filme. Talvez a razão para isto tenha sido o facto de a geração dos anos 1980 e dos anos 1990 ter pouco interesse numa personagem tão simples como o Pateta. Pela mesma razão, e pela mudança nos valores familiares e das crianças que estas duas décadas trouxeram, o filme do Pateta na realidade não pertence ao Pateta mas sim a Max, o seu filho. Mais importante, o filme surge como um spin off, ou uma sequela, da série do Disney Channel ‘Goof Troop’ que foi para o ar em 1992 e teve um relativo sucesso.

Uma pequena produção de apenas 75 minutos (secundaríssima quando comparada com os lançamentos em grande escala de ‘Lion King’, 1994, e ‘Pocahontas’, 1995, tão secundária que nem sequer faz parte da contagem oficial dos clássicos da Disney - pertence à subsidiária DisneyToons), este filme tem um conjunto muito restrito de cenas, mas capitaliza-as como ninguém, como só os grandes filmes conseguem fazer. Este filme tem uma estrutura magnificamente concisa e simples; cada cena faz sentido, não tem distracções irrelevantes e possui um balanço delicado e perfeito entre a clássica moral Disney, um momento engraçado e conteúdos suficientes para ao mesmo tempo dar profundidade às personagens e dar uma continuidade lógica à história. Esta estrutura do argumento é tão perfeita na sua forma contida que ouso sugerir que este filme deveria ser usado como exemplo em aulas de escrita de argumentos.

"Este filme tem uma estrutura magnificamente concisa e simples; cada cena faz sentido, não tem distracções irrelevantes e possui um balanço delicado e perfeito"

O filme abre na manhã do último dia de aulas de Max, antes das tão aguardadas férias de Verão. Para impressionar Roxanne, o seu primeiro amor, e para não ser visto como um ‘nerd’, Max tenta fazer uma demonstração dos seus talentos quando toda a escola está reunida no auditório para o discurso de encerramento do ano lectivo do director. Consegue impressionar a miúda mas não o director, que chama Pateta e pinta um cenário exageradamente negro do futuro do rapaz, algo que mais tarde é corroborado por Pete, um normal vilão da Disney que na série, e no filme, faz de uma espécie de amigo da onça de Pateta, e cujo filho, TJ, é o melhor amigo de Max. Para tentar salvar o filho de um suposto futuro como delinquente, o Pateta decide levar Max numa viagem de carro pai-filho pela América, arruinando assim os planos de Verão, e do amor de Verão, de Max. Procurando uma desculpa por ter que se ausentar durante dois meses, Max diz à rapariga, para a impressionar, e porque tem vergonha do seu pai, que vai a Los Angeles ao concerto do mais famoso ídolo da Pop, Powerline (obviamente inspirado em Michael Jackson), e que, para além do mais, vai tocar com ele em palco. O filme inicia então a sua parte de ‘road movie’, na qual pai e filho percorrem a América encontrando personagens engraçadas e envolvendo-se em variadas peripécias, ao mesmo tempo que Max tenta boicotar a viagem planeada pelo pai ao Lago Destino e arranjar uma maneira de se esquivar para LA. Obviamente, no decorrer das suas aventuras e desventuras, ambas as personagens vão crescer, e o que começa com um claro antagonismo nova vs. velha geração, acaba com o ganhar de um respeito mútuo e com a descoberta de um amor que sempre existiu, mas que estava esquecido. Grandes momentos do filme incluem a música da cena inicial, o encontro, no meio da floresta, como o Big Foot, a aparição estrondosa da autocaravana de Pete e claro, o concerto do Powerline (não há grande surpresa que acabam por chegar lá, mais cedo ou mais tarde).

Muito há a dizer sobre as músicas deste filme. As canções de Powerline são interpretadas pelo prodígio adolescente Tevin Campbell, que na altura tinha apenas 18 anos e para o qual se previa um grande futuro. A maneira espectacular como canta as músicas, numa voz muito ao estilo do rei da pop, faz uma pessoa perguntar-se o que terá acontecido a este jovem talento, e como foi possível perder-se no mundo da música. As duas músicas do seu repertório, ‘Stand Out’ e ‘I2I’ são muito mais que meros produtos pop dos anos 1990; são produtos pop dos anos 1990 com uma incrível qualidade, que é exacerbada pela capacidade vocal do jovem artista. A banda sonora, por outro lado, é assinada por Carter Burwell (o compositor habitual dos filmes dos irmãos Coen) que, mesmo sendo uma escolha pouco usual para a Disney, acaba por fazer um bom trabalho, embora mais nas três músicas ‘de continuidade’ que o filme apresenta, do que propriamente no ‘underscore’, que passa praticamente despercebido. ‘After Today’, a música de abertura do filme, é um grande hino adolescente ao estilo, ou em homenagem a, 'Grease' (aquele tipo de música com o qual os indivíduos do Glee apenas podem sonhar), enquanto ‘Nobody Else But You’, por si só, em apenas dois minutos, consegue fazer o público compreender como finalmente pai e filho se unem emocionalmente no clímax do filme, sem haver a necessidade de diálogos desnecessários ou cenas lamechas. A música faz o que deve fazer, transmite as emoções necessárias e conduz a história. Poucos musicais conseguem fazer isto tão bem.

"A música faz o que deve fazer, transmite as emoções necessárias e conduz a história. Poucos musicais conseguem fazer isto tão bem."

A música, tal como a boa animação dos primeiros planos, escondem algum cortar de cantos (como por exemplo na animação do ‘background’) o que só prova que esta é uma produção secundária da Disney com baixo orçamento. Mesmo assim, isto é facilmente esquecido, porque o filme nos cativa com o seu argumento conciso mas muito eficaz, as músicas que ficam no ouvido e um ritmo frenético de piadas e moral ‘Disney’. Embora ambicioso na busca desta moral para uma produção tão simples (pois não só balanceia a relação entre um pai e um filho, como também o ‘coming of age’, a passagem de criança para adolescente – ou até a semi-adulto – de Max), o filme consegue cumprir os objectivos emocionais a que se propôs, o que mais uma vez também é raro. Este filme da Disney diz aos jovens que podem conseguir ser ‘cools’ mesmo mantendo a sua identidade e mesmo mantendo a sua ligação à geração anterior. Pode-se conseguir um bocadinho de tudo, com honestidade, abertura, e capacidade de compreensão. E isto é dado sem qualquer diálogo lamechas e directo (que inevitavelmente seria oco), mas com uma sucessão de acontecimentos que criam um ambiente, uma ideia, que o espectador capta. Mesmo assim, infelizmente, creio que o filme terá, hoje em dia, perdido o seu público-alvo. Os valores e os paradigmas associados aos adolescentes de hoje em dia já são bem diferentes daqueles das gerações de 1980 e 1990, e eu creio que a simplicidade inerente ao filme já não será suficientemente mágica para aqueles que estão habituados a ver, literalmente, a magia a materializar-se na tela do cinema. Mas as crianças (menos de 12 anos talvez) ainda conseguirão descobrir a beleza deste filme, e adultos sensíveis às fantasias da Disney irão para sempre amá-lo, como eu o amo.

Directo mas com qualidade, emotivo mas não lamechas, engraçado mas sem ser em exagero e com um grande conjunto de canções, este filme é simplesmente espantoso. Reflecte na perfeição aquilo que para mim, e para muitos, significa a palavra ‘Disney’, pelo que eu considero uma pena grande que este filme não faça parte da lista dos ‘Clássicos’. O realizador estreante deste filme, Kevin Lima, seria promovido pouco depois a realizar grandes produções da Disney como ‘Tarzan’ (1999) ou ‘Enchanted’ (2007). Mas estas, mesmo fazendo parte dos ‘Clássicos’ (como 'Tarzan') não ficarão para sempre na memória de gerações e gerações como fica ‘A Goofy Movie’. Foram uns 9 euros extremamente bem gastos, pois espero revisitar este filme de poucos em poucos anos, com a minha família, e um dia apresentá-lo aos meus filhos e um dia talvez aos meus netos. Só um grande filme inspira estas sensações. Só um grande filme nunca nos deixa e aparece na nossa memória para nos marcar, uma e outra vez, em várias fases da vida. Quando era novo apreciei o filme do ponto de vista de Max. Agora aprecio o filme de um ponto de vista emocional e técnico. Mas estou seguro que um dia apreciarei o filme do ponto de vista do Pateta. Então o ciclo estará completo.

"Directo mas com qualidade, emotivo mas não lamechas, engraçado mas sem ser em exagero e com um grande conjunto de canções, este filme é simplesmente espantoso. Reflecte na perfeição aquilo que para mim, e para muitos, significa a palavra ‘Disney’"

Uma pergunta contudo surge-me sempre que vejo o filme: se o Pateta tem um filho então deve ter havido nalguma altura uma Sra. Pateta, não? O que é que lhe aconteceu, já que nunca é mencionada?


5 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Eu adorava este filme! Vi imensas vezes qd era miúdo :D

    ResponderEliminar
  3. Um filme genial que vi também quando tinha 8/9 anos. Adorei o filme e revi imensas vezes. Mais tarde revi-o para ter a certeza se o filme era assim tão bom e para tirar da cabeça a ideia de que só tinha gostado porque era criança quando o vi pela 1º vez. Mas a verdade é que "Pateta, o Filme" é realmente muito bom, história muito bem conseguida, personagens incríveis, boa banda sonora, nada lamechas, grande mensagem e muitas coisas mais. Identifiquei-me bastante com esta crónica e fico feliz que haja pessoas que adoraram também este filme e que o põem num patamar tão alto, como dos melhores filmes da Dysney, para mim o melhor. Pena que não tenha ganho grande notoriedade a nível mundial o que é pena... Ainda tenho aqui a cassete VHS do filme, uma relíquia!

    ResponderEliminar
  4. O que só ajuda a comprovar a minha teoria. Os bons filmes, aqueles que perduram, não são necessariamente os que ganham prémios e os que são promovidos pela comunicação social ou pelos estúdios. Os bons filmes são os que ficam no coração. E este é um desses filmes.

    ResponderEliminar

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

Histoire(s) du cinema: John Williams Filmworks (1997); ou o primeiro CD que comprei

Acho que toda a gente se lembra do primeiro disco de música que comprou. Pois bem, o meu foi o CD de compilação ‘John Williams Filmworks’ ....

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates