Home » , , » Histoire(s) du cinema: La vita è bella (1997)

Histoire(s) du cinema: La vita è bella (1997)

No início de Fevereiro de 1999 fui com o meu pai ao cinema ver ‘La vita è bella’ (A Vida é Bela) de Roberto Benigni. Não era muito usual ir com o meu pai ao cinema. Ainda menos usual era ir sozinho com o meu pai ao cinema, sem os meus irmãos. Tinha 14 anos de idade. 

Tinha dois grandes motivos para querer ver este filme em particular – nenhum relacionado propriamente com uma tarde pai-filho – e talvez por isso (não me recordo bem) tenha pedido ao meu pai para ir com ele quando ele disse um dia que o ia ver. O primeiro era que o filme estava a correr as bocas do mundo e eu já nessa idade tinha uma enorme curiosidade e vontade de explorar a sétima arte. O segundo, muito mais importante para mim na altura, era que a rapariga da qual gostava na escola já tinha ido ver o filme nessa semana e havia-mo recomendado vivamente. Estava mortinho por poder falar do filme com ela numa festa de aniversário de um outro colega que iria acontecer nesse fim-de-semana.


Lembro-me vagamente da sessão. Lembro-me de ter rido no início com Benigni, que não fazia a menor ideia quem era, e mais tarde da solenidade que o filme me comandou (acho que nunca tinha visto um filme com uma temática tão forte), bem como da moral que me inspirou. Mas lembro-me muito melhor do dia seguinte. Recordo perfeitamente o momento em que ela chegou à festa. Eu estava a jogar bilhar com os meus amigos e ela desceu as escadas. Como o grande totó que era (e ainda sou) saí-me com esta brilhante frase (altamente original e sagaz!) quando ela se aproximou de mim para me cumprimentar: “Buon giorno, Principessa!”. Um momento alto, certamente, da minha curta carreira como galã pré-adolescente. Ou não.

Ela simplesmente sorriu. Apreciou o esforço e foi condescendente com a classe suficiente para eu não ficar embaraçado. E sempre acabamos por trocar umas impressões sobre o filme. Foi agradável em todos os sentidos. Não há vez que tenha revisto o filme desde então que não me recorde desta minha pequena aventura infantil. E de certa forma adequa-se à história do próprio filme, ou pelo menos uma parte dela; leva-me de volta a um tempo de inocência e primeiro amor que não podia ser outra coisa senão efémero.

Um mês depois, quando o filme foi um dos grandes vencedores dos Óscares, saboreei a vitória como se fosse do meu próprio clube de futebol. Benigni era uma pessoa tão exuberante e simpática que me senti, como milhares de outras pessoas, tocado e inspirado pelo seu cinema. Auxiliado pelo meu gravador VHS, fiquei a conhecer outras obras anteriores de Benigni que as televisões passaram após o sucesso de ‘La vita è bella’, como ‘Johnny Stecchino’ (1991) ou ‘Il mostro’ (1994). E um ou dois anos depois quando ‘La vita è bella’ passou pela primeira vez na televisão portuguesa, o meu gravador VHS voltou a ser útil, e foi essa cópia que mantive durante anos na minha biblioteca pessoal. Só algures no final da década de 2000 é que finalmente comprei o DVD num hipermercado, pela módica quantia de 1 euro. Um preço ridículo para a gigantesca obra que este filme é. Mas não me queixo.


Já a belíssima banda sonora de Nicola Piovani havia-a comprado mal vi o filme no cinema em 1999, cortesia das minhas mesadas (sempre fui poupadinho noutras coisas para poder gastar nestas). Foi um dos primeiros CDs de banda sonora que comprei e o primeiro, juntamente com o de ‘The Thin Red Line’ desse mesmo ano, que comprei contemporaneamente à estreia do filme. Portanto também é um marco para mim por causa disso. 

Um clássico eterno. Um filme belo e inspirador. Uma parte de mim e do meu crescimento, cuja memória da “primeira vez” recordo sempre com carinho.

Esta é a minha histoire du cinema sobre ‘La vita è bella’. Qual é a sua, caro leitor?


0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

Histoire(s) du cinema: John Williams Filmworks (1997); ou o primeiro CD que comprei

Acho que toda a gente se lembra do primeiro disco de música que comprou. Pois bem, o meu foi o CD de compilação ‘John Williams Filmworks’ ....

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates