Home » , , » The Idle Class

The Idle Class

Ano: 1921

Realizador: Charles Chaplin

Actores principais: Charles Chaplin, Edna Purviance, Charles Aber

Duração: 32 min

Crítica: (Esta é a oitava crítica de um ciclo sobre as 10 curtas-metragens que Charles Chaplin realizou durante o seu período com a distribuidora First National (1918-1923). Pode ler a introdução a este ciclo na minha crónica “Chaplin na First National (1918-1923) - Introdução para um ciclo de críticas” (link aqui), bem como ter acesso aos links para as restantes críticas à medida que forem publicadas.)

Depois de ‘The Kid’, conseguimos sentir o desejo de Chaplin de prosseguir com as suas novas ambições artísticas e dramáticas, a sua nova personalidade do Vagabundo e a sua independência criativa. Mas se o faria a partir de 1923 com os filmes para a “sua” United Artists, não encontramos propriamente isso nas últimas três curtas que Chaplin ainda devia à First National e que fez entre 1921 e 1923. Provavelmente não queria dar o ouro ao bandido, mas isso não implica que estas últimas três curtas sejam menos interessantes, porque Chaplin era um mestre consumado da sua própria personalidade e da sua comédia, portanto, se era isso que era necessário produzir, então produzia-o como ninguém… custasse o que custasse, em termos de tempo, dinheiro e paciência do seu staff!

‘The Idle Class’ é claramente a melhor destas três últimas curtas-metragens de Chaplin, pós ‘The Kid’. Ao contrário do que o título pode deixar antever, em ‘The Idle Class’ Chaplin regressa à comédia pura em detrimento da crítica social, baseando o seu trabalho em gags muito bem construídas, assentes numa história que, não sendo transcendental (ou lírica e pungente como a de ‘The Kid’), é suficientemente interessante para manter a atenção do espectador e a bola a rolar, ou seja, é suficiente para servir de catalisador da comédia.

Curiosamente, tendo em conta a evolução do Vagabundo nos últimos anos (já abordei esta questão na introdução a este ciclo), Chaplin molda-o em ‘The Idle Class’ muito mais próximo dos seus primórdios das curtas da Keystone e da Essanay, talvez para enfatizar a dicotomia entre o pequeno homem e a classe ociosa. Este retorno às origens é imediatamente perceptível na hilariante cena no campo de golfe (Chaplin em principio ter-se-á inspirado na sua própria ideia de ‘How to Make Movies’, já criticado), onde o Vagabundo torna-se um “ladrão de conveniência" (de bolas para poder jogar) e tem atitudes algo manhosas e interesseiras.

Mas seria impossível a Chaplin, supõe-se, fugir da poderosa personalidade e do poderoso significado do Vagabundo que lentamente se revelava e que havia tido o seu expoente máximo em ‘The Kid’. Daí o Vagabundo revelar também o seu lado mais sensível, principalmente num segundo acto passado numa mansão, onde uma grande festa está a decorrer. O Vagabundo entra por necessidade (fugir da polícia, claro está), mas vai tornar-se o centro das atenções, primeiro porque é confundido por Edna pelo seu marido bêbado, dono da casa (Chaplin num dual papel que o permite regressar ao estado ‘bêbado’ que o tornou famoso), e depois na caótica e característica cena de perseguição que constitui o clímax cómico da curta.

‘The Idle Class’ é uma pérola. Primeiro porque é hilariante. Segundo porque mistura um excelente domínio da gag “moderna” de um Chaplin mais maduro com as suas personalidades iniciais quer do Vagabundo inocentemente matreiro, quer do bêbado (e quão engraçado é Chaplin dentro de uma armadura, sem conseguir soltar-se?!). Este contraste estilo Príncipe e o Pobre ou Jekyll e Hyde constitui um híbrido invulgar (depois, recorde-se, de já ter feito 'The Kid'), mas inevitavelmente cómico, que liga o seu passado e o presente numa quase auto-homenagem hilariante aos melhores momentos do seu repertório e do seu estilo cinematográfico.

Inevitavelmente, a curta termina com o Vagabundo a ir (ou a fugir!) para o horizonte sem ganhar (quase) nada; um final clássico mas não artístico nem pungente como seria daí em diante. Mesmo assim, tudo somado ‘The Idle Class’ é sem dúvida alguma a última grande curta-metragem de Chaplin (que só faria mais duas em toda a sua vida). Se quisermos resumi-la podemos dizer “Chaplin joga golfe e depois ‘crasha’ um baile de máscaras”. Mas tem mais, muito mais, do que isso, e aí reside o seu génio, ou quase quase.

0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

The Boss Baby

Ano: 2017 Realizador:  Tom McGrath Actores principais (voz): Alec Baldwin, Steve Buscemi, Jimmy Kimmel Duração: 97 min Crític...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates