Home » , , » X-Men: Days of Future Past

X-Men: Days of Future Past

Ano: 2014

Realizador: Bryan Singer

Actores principais: Patrick Stewart, Ian McKellen, Hugh Jackman

Duração: 131 min

Crítica: Honestamente, estou a ficar um pouco cansado da infinidade de filmes de super-heróis da era cinematográfica pós ano 2000. Agora, são um género de direito próprio, mas o número de heróis de banda desenhada não aumenta. Por isso, nunca se viram tantas sequelas no cinema como nos dias que correm. No caso dos X-Men, já vamos no sétimo filme em 14 anos, o que é extraordinário. Mais extraordinário é o facto de Hugh Jackman ter entrado neles todos. Seria de esperar que o actor ficasse enfadado de interpretar continuamente o mesmo papel. Mas isto é um negócio, e no caso de Jackman uma profissão, por isso quanto mais dinheiro entrar melhor.

Aliás este novo X-Men, intitulado ‘Days of Future Past’ (em português ‘Dias de um Futuro Esquecido’) já fez uma enormidade de dinheiro, mais do que todas as anteriores entradas da saga, o que é mais do que suficiente para garantir ‘X-Men: Apocalypse’, daqui a dois anos. E o público coaduna perfeitamente com isto. É território familiar, cheio de efeitos especiais, que entretêm e não obriga a grandes esforços mentais. Não é arte, mas é entretenimento do bom. Mas até o bom entretenimento tem o seu limite, e com este filme, a saga dos X-Men atingiu completamente o seu limite. O leitor vai achar estranho, mas este filme fez-me lembrar ‘Shrek Forever After’ (2010). Chegado a este quarto filme, a saga de Shrek já não tinha absolutamente nada de novo para dar, e a aventura tem contornos de desenho animado de sábado de manhã. É completamente superficial, rápida e extremamente movimentada. Só funciona porque as pessoas já conhecem as personagens de antemão. Sozinho nunca se susteria. Assim é como rever um episódio menor de uma série que já aprendemos a gostar noutro lado qualquer, e vêmo-la pelas personagens, não pela aventura, cientes que na semana seguinte teremos um episódio melhor. O mesmo se passa aqui. ‘X-Men: Days of Future Past’ é uma aventura fraca em termos de história, nem sequer tem grande acção (apesar de ter mais uma vez efeitos visuais topo de gama), mas é uma oportunidade para o público rever personagens fortes e que já nos fascinaram noutros filmes, como Wolverine, Magneto, Professor X ou Mystique. Para além do mais, a prequela é também um género fácil e preguiçoso, pois parte do princípio que o espectador já conhece o futuro, e portanto o filme apenas se digna a fazer as pontes.

A trilogia original dos X-Men até é bastante interessante; filmes que não são épicos como ‘The Avengers’ ou ‘Transformers’, mas que optam por uma acção mais ao estilo familiar, focado nas personagens e menos nos efeitos, e com histórias relativamente credíveis (considerando o universo, claro está), nas quais o Mundo não precisa de estar sempre a ruir para poderem ter interesse. Se os primeiros dois, realizados por Bryan Singer, são mais focados na banda desenhada (que não conheço), o terceiro, realizado por Brett Ratner, tem mais acção e é mais divertido; para mim o filme mais completo da saga (embora possa não ser o mais fiel à BD, segundo me dizem). Depois ‘Wolverine’ (2009) foi uma ideia péssima, mal executada, que matou os restantes filmes das origens que estavam planeados. Em vez disso, optou-se pela prequela ‘First Class’ (2011), que até resultou bastante bem como filme de super-heróis, embora fosse misturado com uma realidade demasiado real (passe a redundância) para ser apelativo para mim. Eu sei que isso também ocorre na BD, mas para mim deturpar a História e encaixar os X-Men nos buracos tira um pouco da mística às personagens. Mesmo assim, provou que um filme dos X-Men podia sobreviver sem Wolverine. Mas isso, aparentemente, não estava no interesse de ninguém. Suponho que Wolverine seja o fio condutor da saga para o público, mas tudo o que é demais é exagero. Em ‘X-Men: Days of Future Past’, por exemplo, a sua personagem, apesar de central, é completamente dispensável. Aliás, embora esteja em quase todas as cenas, praticamente não tem importância em nenhuma, e nunca faz coisas “à Wolverine” que nos deliciaram noutros filmes. Está ali apenas porque tem de estar.

Outra coisa que ‘First Class’ fez foi substituir a velha guarda por actores mais jovens e da moda (Michael Fassbender em vez de Ian McKellen no papel de Magneto, ou Jennifer Lawrence em vez de Rebecca Romijn-Stamos como Mystique, por exemplo), garantindo assim apelo e continuidade. E essa ideia de pensar passa para este novo filme. "O presente esgotou-se. Vamos então ao passado, reciclamos os actores e voilá". Pelo caminho, a saga de X-Men provou outra coisa. Em 2009 ‘Wolverine’ foi um fiasco critico e até de certa forma de bilheteira. Em 2013 ‘The Wolverine’ pôde ser feito sem preocupações, pois a memoria do público é curta. Eu não fui ver este novo filme de Wolverine porque detestei o primeiro e não acreditava como era possível acrescentaram um ‘the’ no título e acharem que podiam levar a sua avante. Mas estamos numa época em que sim, se pode levar isso avante. É o mesmo motivo pelo qual, antes de ‘Amazing Spider Man 2’ ter estreado há um mês, e antes de se saber se iria ser um sucesso ou não, já os filmes 3 e 4 para 2016 e 2018 tinham tido luz verde do estúdio. Neste momento é só dar a oferta, que a procura se auto-gera. E infelizmente isso anda a destruir a pouca originalidade que o cinema moderno americano das massas ainda tinha.

Quando li a sinopse e vi o primeiro trailer de ‘X-Men: Days of Future Past’ há uns seis meses, comecei a rir. Aparentemente, não contentes com tudo o que já tinham feito, agora iam levar a coisa bem mais longe, usando viagens no tempo (sim, viagens no tempo!), para assim juntar o melhor que tinham dos filmes originais dos X-Men (Ana Paquin, Ellen Page, Halle Berry, Kelsey Grammar), com o melhor da prequela (Lawrence, Fassbender, James McAvoy). Aparentemente, ia estar tudo junto num épico mega-mix. Mas um amigo meu, grande especialista em BD, travou-me o riso dizendo que esta era uma das linhas argumentais mais famosas e mais bem amadas pelos fãs da BD. Ok, então iria esperar para ver. Para além do mais, o realizador ia ser Bryan Singer de novo. Há 12 anos, após o segundo filme, Singer saiu da saga chateado. Talvez o facto do seu último filme ter sido ‘Jack the Giant Slayer’ (2013), tenha alguma coisa a ver com finalmente ter aceitado regressar. Singer pode estar meio perdido (e agora as acusações de pedofilia também não ajudam), mas é o homem que tem ‘Usual Suspects’ (1995) no currículo, portanto talento algures tem. Infelizmente, o momento mais espectacular de ‘X-Men: Days of Future Past’ é precisamente esse instante antes do filme começar em que vemos o logótipo da produtora Bad Hat Harry Productions – a silhueta da famosa cena da linha de identificação de ‘Usual Suspects’ com leves acordes da música desse filme. ‘X-Men: Days of Future Past’ é daqueles filmes que é impossível um realizador dar um cunho pessoal. A sua estrutura é tão estereotipada e a sua dependência do argumento escrito e dos efeitos especiais tão clara que o produto seria o mesmo qualquer que fosse o realizador. 

É por isso mesmo que o filme abre com uma voz off do Professor X que nos explica a papa toda (detesto isso), em vez de a apreendermos pelas primeiras imagens e pelas primeiras cenas. Estamos no futuro e uns robôs avançadíssimos chamados Sentinelas dominam o planeta, chacinando tudo o que é mutante e tudo o que é humano normal que um dia virá a ter descendência mutante. Esta segunda funcionalidade da máquina foi um bug imprevisto pelos seus criadores, portanto assistimos a um planeta Terra dividido por uma guerra apocalíptica, estilo ‘T2’. Neste ponto, a saga X-Men atinge um nível de entretenimento visual Marvelesco ou Transformeresco, que anteriormente não tinha, com épicas e futuristas cenas de acção. E neste contexto encontramos os nossos velhos conhecidos X-Men, ou o que resta deles, a lutarem para sobreviver. Mas primeiro, tirando um ou outro X-Men com poderes cool (e que morrem mais cedo ou mais tarde), todos os restantes que sobrevivem são curiosamente os correspondentes aos actores mais famosos. Segundo, não sei daqui a quantos anos é que isto se passa no futuro (nunca o dizem), mas a verdade é que Ellen Page e os restantes pouco envelheceram. Passaram 2 anos talvez? Não sei…

Encurralados praticamente à espera da morte e sem hipóteses de vencer estas máquinas que absorvem instantaneamente o poder de qualquer X-Men e contra-atacam na mesma moeda, o Professor X e Magneto têm um último plano. Kitty (Ellen Page) tem o dom de mandar alguém para o passado. Ela usa-o agora, mandando os companheiros alguns dias para trás no tempo, de forma a antever o ataque dos Sentinelas. Mas o objectivo é mandar alguém para os anos 1970, onde tudo começou, quando um cientista que odeia mutantes, o dr. Trask (interpretado por Peter Dinklage, o anão da Guerra dos Tronos)  desenvolveu o plano dos Sentinela. O seu plano não foi aprovado inicialmente, mas como depois Mystique o assassinou, isso fez com que os Mutantes parecessem perigosos e o plano fosse aprovado (?!). A ideia é travar Mystique de cometer esse assassinato. 

Mais uma vez tenho coisas a dizer. Primeiro em ‘X-Men: The Last Stand’ o poder de Kitty era atravessar paredes, não enviar pessoas para o passado. A escolha de precisamente a personagem de Ellen Page para este papel parece óbvia. Segundo todo o jargão cientifico destas cenas iniciais é colado a cuspo. Basicamente são desculpas pouco credíveis para despoletar a história. Terceiro, a desculpa para ser Wolverine a ir para o passado é ainda mais patética. A verdade é que não há uma viagem ao passado propriamente dita. Só a mente viaja, e vai ter ao corpo passado. Portanto, aparentemente, só a mente de Wolverine, com o seu poder de auto-regeneração, é suficientemente forte para suster esse choque de décadas. E isto, subtilmente (ou não), resolve outro potencial problema: o de haverem dois Wolverines no passado (algo que eu me perguntava porque não tinha aparecido no trailer). E dá igualmente a possibilidade de uma tensãozinha, pois enquanto Wolverine está deitado numa cama, a sua mente viajando pelo passado, com Ellen Page a pôr uma mão de cada lado da sua cabeça, não se podem mover nem procurar outro esconderijo, o que não é nada bom pois os Sentinelas apertam o cerco. O que me leva a um quinto ponto. O filme parte do princípio que o tempo passado e presente se desenrolam ao mesmo ritmo. Ou seja, quanto mais tempo Wolverine tem no presente, mais ganha no passado, e isso não faz sentido.

Assim, como quem não quer a coisa, ‘X-Men: Days of Future Past’ enganou bem o seu publico. Colocou os actores todos da saga no mesmo filme, mas sem que se cruzem como haviam insinuado. A épica batalha anunciada desenrola-se durante míseros minutos no futuro, e a partir do momento que Wolverine vai até aos anos 1970 o filme prossegue com a linha menos fantasiosa de ‘First Class’, mas sinceramente com muito menos dinâmica e interesse. Basicamente, lá vai Wolverine convencer um bêbado e perdido Professor X (então sem o seu poder de telepatia, porque está a tomar um soro que lhe tira os poderes) de quem é e o que pretende. Lá vai Wolverine recrutar Quicksilver (que também entrará no próximo filme dos Vingadores) para resgatarem Magneto da prisão de máxima segurança. E lá vão todos à procura de Mystique. Ao mesmo tempo vai-se desenrolando uma trama semi-histórica (Magneto esteve implicado no assassinato de JFK), que envolve o presidente Richard Nixon, a personagem de Trask (já agora, um anagrama de Stark, o pai de Iron Man), um jovem Striker (ver trilogia original de X-Men) e outros mauzões que não vêm os Mutantes com bons olhos, na velha lenga-lenga do costume.

E no centro está Mystique, trabalhando a solo com a sua própria agenda de vingança. Obviamente, o filme dá imensa importância a Jennifer Lawrence. Verdade que é Mystique que na BD vai assassinar Trask, mas há aqui algumas incongruências, com o intuito de promover Lawrence e identificá-la como a única Mystique. Se o espectador se recorda, Rebecca Romijn-Stamos teve um papel relevante nos primeiros X-Men, mas neste filme parece que essa Mystique nunca existiu. Contudo, o filme consegue ser bem sucedido a escapar a algumas destas incongruências, pois justifica isso com mudanças na linha temporal causadas pela alteração dos eventos passados. Mas a máxima que passa é: Desculpa, Rebecca Romijn-Stamos, a Jennifer Lawrence agora é mais famosa (embora muito menos sexy em termos de corpo nu maquilhado de azul…). 

Se algumas sequências são até bastante apelativas (por exemplo o assalto à prisão onde está Magneto, principalmente a cena em que QuickSilver dá o ar da sua graça), o resto do filme é extremamente frouxo. O que vai acontecendo é que por mais que tentem alterar o passado, o curso do destino arranja uma maneira de voltar sempre a engatar nos eixos. Impedem o assassinato inicial de Trask, mas Mystique continua atrás dele. Por outro lado, a presença dos X-Men, captada pelos média, chama a atenção para eles, e o programa Sentinela fica em vias de mais uma vez ser aprovado. Magneto, livre da prisão, também decide ir a solo atrás de Trask, Nixon e Mystique. E Wolverine? Como disse, anda para lá meio perdido atrás desta gente, mais como observador, e nem sequer consegue ser relevante no showdown. E o Professor X? Está em auto-descoberta, e James McAvoy continua com o seu tique horrível e irritante (que eu já tinha topado em ‘First Class’) de espetar dois dedos na testa cada vez que quer usar o seu poder telepático… Tudo converge para um assalto final à Casa Branca, de pouca epicidade visual e dramática, onde haverá um momento chave que definirá o futuro. Como um bom filme acéfalo, temos cortes contínuos para o presente, onde os Sentinelas estão quase, quase a chegar a sala onde Wolverine e Kitty estão, e temos sacrifícios heróicos e frases clássicas como "temos de lhe dar mais tempo… ele vai conseguir…"

Como o leitor percebeu por esta descrição, eu não gostei muito do filme. Todas as sagas aguentam apenas um determinado limite até deixarem de dar algo de novo e explodirem. Mais um Rocky  e acho que haverá a terceira guerra mundial. Mais um Sexta-Feira 13 e haverá um acto do Congresso a banir os filmes de terror. Star Wars poderá, face a noticias recentes, ir pelo mesmo caminho. E esta hora negra chegou a X-Men. A performance adormecida de Hugh Jackman é o reflexo perfeito disto. É uma aparição e uma actuação completamente mecânica, rotineira, porque sim. E todo o filme funciona deste modo. Há pouca originalidade, pouca inventividade, pouco interesse, e uma construção dramática claramente aquém daquilo que a saga já mostrou. A crise de Cuba retratada no clímax de ‘First Class’ era um pedaço de cinema de acção e entretenimento extremamente digno. O ataque à Casa Branca em ‘X-Men: Days of Future Past’ é demasiado frouxo para ser dinamicamente apelativo, e teria, isso sim, repercussões na linha do tempo que o filme esquece-se de considerar. Aliás, o filme está cheio destas gralhas existencialistas e escolhe convenientemente, de acordo com o que mais lhe convém, aquilo que se altera no futuro. O acordar de Wolverine no futuro é outra cena mal conseguida, pois mostra apenas o confinado espaço da escola de Xavier. E lá fora? Como vai a vida? E se o presente se transforma desta maneira, então os 3 filmes originais de X-Men não têm razão de existir. E se não existiram, então Wolverine nunca estaria ali, daquela maneira, portanto nunca estaria em condições para voltar ao passado e o mudar da primeira vez. É uma pescadinha de rabo na boca, que denigre o trabalho feito anteriormente, mas que, para ser percebida, obriga o espectador a pensar e a conhecer a saga, algo que vários espectadores não estão disponíveis para fazer, pois pagaram o seu bilhete por outros motivos. E assim se safam os criadores deste filme. Como está, o final é um artificial "tudo esta bem quando acaba bem", à boa maneira do blockbuster de Hollywood, intento em fazer muito dinheiro com o mínimo esforço artístico e intelectual.

‘X-Men: Days of Future Past’ tem boas actuações (Dinklage, Fassbender, Lawrence), tem uma boa banda sonora (o regresso de John Ottman à saga) e tem algumas sequências com piada. Mais importante que tudo, e que lhe dá todo o valor, ‘X-Men: Days of Future Past’ tem as personagens de X-Men (esta não havia que enganar). Mas falta-lhe tudo o resto. O filme pega numa BD já escrita e já enraizada nos fãs, pega nos actores que o público conhece, introduz uma ou outra piada de época, insere efeitos visuais, mistura tudo e cospe duas horas. Mas isso já não é suficiente. X-Men já enjoa. O filme não tem originalidade nem valor próprio, é preguiçoso e apoia-se na sua popularidade e numa suposta ‘realidade histórica’. Eu posso pegar em qualquer evento histórico, desde a construção das pirâmides até ao recente desaparecimento do avião da Malaysian Airlines e meter X-Men ao barulho, mas isso não torna imediatamente o meu filme espectacular! Nunca foi o conceito da historia só por si que fez um filme, nem os actores, nem o que se fez em filmes anteriores. Nem será agora que isso vai acontecer. Confesso que  ‘X-Men: Days of Future Past’ entretêm sem ser maçador, as suas duas horas passam relativamente bem, mas já foi tudo visto, e melhor. As cenas e acção são poucas e depois da trama se transladar para a década de 1970 quase inexistentes. No clímax, Beast, Professor X e até o próprio Wolverine são postos fora de combate, e apenas restam Magneto e Mystique (ah e os dois dedos que o Professor X espeta na testa!). Um pouco longe daquilo que foi prometido no trailer, o épico mix de X-Men do passado e do presente. Os filmes de X-Men são cada vez menos filmes de super-heróis e cada vez mais filmes histórico-políticos com vertentes fantasiosas e a lenga-lenga dengosa 'humanos vs. mutantes' à mistura. E isso, sinceramente, já não me sacia o gosto. Não é preciso que tudo seja ‘The Avengers’, e X-Men sempre optou por ser mais contido em termos de acção e luta, dando valores mais, digamos, familiares. Mas há limites.

Contudo, quem sou eu para falar? Veja-se a extraordinária classificação que o filme tem no imdb: 8.5 (o 82° filme mais bem cotado de todo o site). Vejam-se os rendimentos: este é o filme mais bem sucedido na bilheteira de toda a saga, e apenas vai em duas semanas de exibição! Aparentemente o filme fez o gosto dos fãs. Ou pelo menos a publicidade foi tão boa que o público foi comprando o seu bilhete (como eu). Se calhar havia qualquer coisa nele que eu não notei. Se calhar é por não conhecer a banda desenhada. Se calhar os fãs gostaram do filme apenas porque gostam da linha argumental da BD (a tal muito bem amada), e nem se aperceberam que o filme estava mal feito, por já conhecerem a história. Se calhar… Ou então o motivo é bem mais simples. De acordo com a revista Variety, três em quatro pessoas que entrevistaram foram ver o filme por causa de Jennifer Lawrence. E não me admirava nada que isso fosse verdade. Na realidade, isso explica muita coisa... E até já se fala de um spin-off, de um filme só com Mystique, à semelhança dos que se fizeram com Wolverine. Desculpa, Hugh Jackman, a Jennifer Lawrence agora é mais famosa...

‘X-Men: Apocalypse’ está aí ao virar da esquina… Boa sorte. Mas não contem com o meu bilhete. Estes heróis já deram o que tinham a dar. E Jennifer Lawrence… bem, não a acho assim tão boa quanto a fazem, ou pelo menos suficientemente boa para ir ver um filme só porque ela entra. 

0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

Histoire(s) du cinema: John Williams Filmworks (1997); ou o primeiro CD que comprei

Acho que toda a gente se lembra do primeiro disco de música que comprou. Pois bem, o meu foi o CD de compilação ‘John Williams Filmworks’ ....

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates