Home » , , » I Want to Live!

I Want to Live!

Ano: 1958

Realizador: Robert Wise

Actores principais: Susan Hayward, Simon Oakland, Virginia Vincent

Duração: 120 min

Crítica: ‘I Want to Live!’  (talvez em português se chame ‘Quero Viver’... quem sabe?!) é um grande filme, mas tem uma aura estranha que eu não consigo exactamente descrever. Este filme é baseado em factos reais (algo que é inúmeras vezes repetido durante o filme – talvez por ser prática pouco comum na altura), e portanto o argumento depende muito de documentos como registos de tribunal, transcrições de relatos de testemunhas, cartas reais entre os intervenientes da história, etc, o que proporciona ao filme uma sensação estranha de realidade, terra-a-terra, que não é hábito existir na ficção do cinema. Mas ao mesmo tempo, o estilo de montagem, a fluente banda sonora ao estilo jazz, e a impactante performance central de Susan Hayward (um papel que lhe valeu o Óscar de Melhor Actriz), transportam o filme para um plano quase sonhado, de fábula. Por existir esta dicotomia entre o real e a ilusão em quase todas as cenas, especialmente nos primeiros dois terços do filme, é que digo que este filme existe num plano difícil de caracterizar.

‘I Want to Live!’ é realizado pelo grande Robert Wise. Por esta altura Wise estava num período de transição artístico. Já tinha deixado a sua marca no género de terror/ficção científica poucos anos antes, e agora evoluía para um estilo mais emocional, mais dramático, até que culminaria, na década de 1960, com dois épicos musicais que lhe valeriam, pessoalmente, 4 Óscares (num total de 15 conquistados) – ‘West Side Story’ (1961) e ‘The Sound of Music’ (1965). O facto de ter iniciado a sua carreira como editor (fez a montagem, por exemplo, de 'The Magnificent Ambersons’, 1942, de Orson Wells) poderá ajudar a compreender o ritmo acelerado com que o filme começa. 

Começamos por ver pequenos sketches da vida de Barbara Graham (Hayward), uma mulher de personalidade forte, mordaz e com um aguçado sentido de humor, mas que provém de um bairro pobre. Passa a maior parte do tempo em bares de reputação duvidosa com indivíduos ainda piores, basicamente a fazer o que lhe apetece com quem lhe apetece. O filme passa rapidamente de cena em cena, de episódio em episódio, de ano em ano, mas permite, mesmo assim, que o público consiga formar uma ideia da sua personalidade, e que crie alguma empatia com o seu carácter. Barbara vive apenas para o momento e pouco pensa no futuro e nas consequências das suas acções. Mente, falsifica cheques, e entra e sai várias vezes de estabelecimentos prisionais por crimes menores. 

Um dia contudo, Barbara decide endireitar a sua vida. Casa com o empregado do bar para tentar começar a construir uma vida respeitável, e tem um filho dele. Contudo, depressa descobre que o seu marido é viciado em droga (outro tema pouco falado em filmes da época, e que teve a sua primeira grande abordagem em ‘The Man with the Golden Arm’, 1955, de Otto Preminger, com Frank Sinatra no papel principal). Na noite fatídica, Barbara discute mais uma vez com o marido. Quando este desaparece, Barbara vai ao bar ter com os velhos amigos. O que ela não sabe é que estes estão a planear um assalto. Mais tarde, vai ter com eles outra vez, e quando estes são apanhados pela polícia, ela também é. São acusados de matar uma senhora idosa enquanto roubavam a casa dela. Ambos os homens apontam o dedo a Barbara para se tentarem safar e ela, sem álibi, sem amigos, sem apoio, e com um cadastro grande, é presa fácil para advogados astutos e para a polícia. E então o filme finalmente desacelera o ritmo, e todos os passos, desde o julgamento, à prisão, até à convicção e finalmente à sua morte na câmara de gás são dados com extremo cuidado e muita atenção ao pormenor.

Este filme pertence inteiramente a Susan Hayward. Todos os outros actores que interpretam os advogados, os jornalistas, os padres, os guardas, os polícias, e os outros criminosos, apenas flutuam à volta dela, e pouco ou nenhum interesse têm para o espectador. O público olha apenas para Hayward, fixamente, esperando o próximo floreado da sua actuação. Acresce a isto o facto de na altura, em 1958, o caso estar ainda fresco na mente do público, portanto ninguém na audiência tinha dúvidas sobre o desfecho dramático da peça (a execução). Portanto ainda mais crédito tem que ser dado à figura dramática de Hayward, que consegue cativar e guiar o público pelo seu arco trágico, mesmo sendo já o seu destino conhecido à partida. Sabemos perfeitamente que a mulher de mau carácter mas inocente daquilo que a acusam, impotente contra o sistema, vai morrer no fim, mas o filme não perde um milímetro de interesse por causa disso. Poderá até ficar mais interessante, por essa mesma razão.

O pico da carreira de Hayward (uma actriz pouco recordada hoje em dia), ‘I Want to Live!’ é muitas coisas. É a história de uma personagem forte cuja única fraqueza é o seu amor pelo seu pequeno filho, uma personagem que não se verga perante o sistema, nem se quebra face às muitas injustiças que lhe são feitas, mas que vai cedendo emocionalmente a pouco e pouco à medida que a sua hora da execução se aproxima. É um ataque pouco disfarçado ao sistema judicial e à pena de morte, dado de uma forma fria e directa, sem cedências sentimentais para efeitos de dramaturgia cinematográfica. E é também uma afirmação de que pessoas más se podem endireitar, mas que neste Mundo a sociedade dificilmente sabe perdoar e o sistema raramente esquece o passado de uma pessoa.

A forma como o filme se estrutura na primeira hora e meia, em termos da direcção de Wise e da montagem, dão-lhe a estrutura estranha de que falei no início. Contudo, estas mesmas técnicas cinematográficas aplicadas na última meia hora, que retrata a última hora de vida da prisioneira, elevam o filme ao patamar de obra-prima. É como se Wise soubesse que estas técnicas resultariam brilhantemente no final do filme, e portanto optou por ser coerente e usá-las no filme todo, o que na primeira 1h30 parece um pouco inexplicável. Mas quando o filme desabrocha, desabrocha como poucos, e Hayward mantém-se a brilhar até ao seu sopro final. Mesmo assim, não creio que por tão boa que seja a performance de Hayward, seja melhor que aquela que Elizabeth Taylor teve em ‘Cat on a Hot Tin Roof’, igualmente nomeada para o Óscar nesse ano. Infelizmente, todos sabemos que a Academia tem a tendência para preferir actores a fazer de personagens reais que tiveram algum tipo de tragédia ou drama na vida… Mesmo assim é uma grande performance, um nada exagerada, mas que constitui, na sua essência, o próprio filme. Este é o maior elogio que posso dar a Hawyard. Ela é o filme.

Acima de tudo, ‘I Want to Live!’ demarca uma posição social, tão relevante hoje como foi na altura do seu lançamento.


0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

Histoire(s) du cinema: John Williams Filmworks (1997); ou o primeiro CD que comprei

Acho que toda a gente se lembra do primeiro disco de música que comprou. Pois bem, o meu foi o CD de compilação ‘John Williams Filmworks’ ....

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates