Home » » Do mundo real para a Terra de Oz – uma análise comparativa entre o filme de 1939 e o filme de 2013

Do mundo real para a Terra de Oz – uma análise comparativa entre o filme de 1939 e o filme de 2013


Ontem à tarde estava a correr no ginásio, minding my own business, quando numa das televisões começou a dar o filme ‘Oz the Great and Powerful’ (2013) de Sam Raimi. Só vi este filme uma vez, no já longínquo ano de 2013 (originou uma das primeiras críticas desta página) e portanto já há muito me tinha esquecido de um pequeno pormenor que contém e que é extremamente ilustrativo da diferença, de qualidade e de classe, que existe entre o cinema de outrora e o actual. Passo a explicar.

Quer o filme de 1939 com Judy Garland quer esta re-imaginação mais recente começam no mundo “real”, que é retratado a preto e branco. Só quando Dorothy (no filme original) e o Oz de James Franco (no filme de 2013) chegam à mágica Terra de Oz é que um arco-íris de cores garridas inunda a tela, ilustrando o universo de fantasia sonhadora que esta terra representa. Mas há uma gigantesca diferença entre a forma como Victor Fleming e Sam Raimi concebem esta transição entre mundos, esta passagem do p/b para a cor.

A ideia é simples. O mundo real é a p/b e a Terra de Oz é a cores. Tranquilo. Todos os espectadores, dos mais novos aos mais idosos, conseguem entender isso. Sem qualquer tipo de efeitos especiais, o filme de 1939 faz essa transição com uma enorme subtileza. Observe a cena, caro leitor:


Quando a casa aterra em Oz o filme ainda é a p/b porque Dorothy ainda está dentro dela. A casa é um elemento do mundo “real” que o tornado levou para o universo de fantasia, portanto faz sentido que assim seja. Note-se o plano aos 28 segundos deste vídeo. Dorothy abre a porta e, magicamente, o mundo lá fora, o mundo de Oz, está a cores. Então ela transita, como o simples transpor da porta para o exterior, de um mundo para outro, do p/b para a cor. Esteticamente faz todo o sentido. 

Claro que este plano crucial (Garland dentro de casa a abrir a porta) primeiro tem um inteligente truque de fotografia e depois já está filmada a cores, embora a fotografia disfarce isso muito bem. Todo o interior da casa está em sombra e as paredes estão pintadas em tons de sépia, para que se conceba a ilusão de óptica da passagem do p/b para a cor. E note-se como essa ilusão é mantida no plano aos 37 segundos, do ângulo inverso. Dorothy, o cãozinho Toto e a flor ao seu lado estão fotografados com cores vivas, enquanto que a desfocada parede da casa ao fundo continua a parecer, devido à cor com que está pintada, a p/b. Brilhante.



Mas agora analisemos a cena análoga no filme de 2013. Supostamente este mesmo efeito poderia ter sido obtido muito mais facilmente recorrendo à tecnologia digital. Supostamente. Mas quando não existe a mesma classe, a mesma mestria, a mesma devoção; quando se está completamente dependente dos efeitos especiais e só se quer exibi-los à maluca, então perde-se a percepção daquilo que realmente constitui a arte de fazer (bom) cinema: a subtileza da ilusão. Observe com atenção esta segunda cena, caro leitor:


James Franco está no seu balão de ar quente no meio do ciclone que o leva à Terra de Oz. A imagem ainda é a p/b e em 4:3. Quando a tempestade amaina, ele acorda e olha para cima. Note-se o plano aos 39 segundos deste vídeo. Toda imagem está ainda a p/b, apesar do mundo que se vê fora do balão já ser a Terra de Oz! Franco levanta-se e espreita para fora com um ar espantado. Mas tudo permanece a p/b incluindo o céu e as nuvens atrás de si.

Então, por volta dos 52 segundos deste vídeo, Franco começa a sorrir e leva a mão ao coração. A câmara afasta-se rapidamente e, ao fazê-lo, a cor começa subitamente a ser injectada na tela e a imagem começa a alargar-se para o rácio moderno. Com todo o esplendor do CGI e toneladas de efeitos visuais, a colorida Terra de Oz é exibida ao espectador e continuará a ser, pelos minutos seguintes.



Mas se pensarmos bem, não houve a transição de um mundo para o outro, como no filme de 1939. Aí a porta de casa era a fronteira entre os dois mundos. Para trás o Kansas e o p/b. Para a frente Oz e a cor. No filme de 2013 não há fronteira. Há apenas o carregar de um botão num computador para que a imagem passe a ser a cores. No filme de 1939 havia uma coerência estética na transição entre os dois mundos. No filme de 2013 não há. Dorothy nunca viu Oz a p/b. Viu essa terra sempre a cores. Já Franco vê-a a p/b durante uns segundos, embora na realidade esteja já a vê-la a cores, como o seu sorriso demonstra. O espectador é que a está a ver a p/b até ao momento em que o realizador, para fazer um plano "bonito", decide mostrá-la a cores. Faz sentido? Não. Portanto, qual das duas transições é a melhor, qual das duas melhor resulta para transportar o espectador para dentro da fantasia? Para mim não há qualquer dúvida.

Assim sendo, qual é a lição que se tira da análise destas duas cenas? Apenas esta: não são os efeitos especiais que fazem um filme, nem mesmo quando esse filme é uma alegoria fantasiosa. 74 anos separam os dois filmes, mas o primeiro continua a fascinar gerações e gerações de espectadores, enquanto que o segundo, apesar de completar agora apenas 5 anos de existência, já praticamente foi esquecido.

O primeiro era uma obra mágica de cinema em que todos os pormenores estavam cuidadosamente pensados e trabalhados para estimular a nossa imaginação. E isso passa também por permitir que o espectador entre com as personagens na fantasia. A subtil cena do filme clássico permite precisamente isso mesmo. Nós passamos com Dorothy a porta de sua casa. Nós transitamos com ela do p/b para a cor. Mas não fazemos isso no filme de 2013, porque o próprio filme não nos dá essa oportunidade. Os efeitos especiais são sempre a sua maior preocupação, mas realmente não estamos interessados na espectacularidade de um reino de fantasia se não acreditarmos nele. O filme de 1939 pode estar cheio de artificiais cenários de estúdio, mas cada um deles têm a magia suficiente para que acreditemos, realmente acreditemos na magia. No filme de 2013 apenas desfrutamos da beleza dos efeitos especiais enquanto pensamos “isto é apenas um filme”. E isso faz toda a diferença.

0 comentários:

Enviar um comentário

Porque todos somos cinema, está na altura de dizer o que vos vai na gana (mas com jeitinho).

Vídeo do dia

Citação do dia

Top 10 Posts mais lidos de sempre

Com tecnologia do Blogger.

Read in your language

No facebook

Mais lido da semana

The Guns of Navarone

Ano: 1961 Realizador:  J. Lee Thompson Actores principais:  David Niven, Gregory Peck, Anthony Quinn Duração: 158 min Crítica: ...

Quem escreve

Quem escreve
Miguel. Portuense. Nasceu quando era novo e isso só lhe fez bem aos ossos. Agora, com 31 anos, ainda está para as curvas. O primeiro filme que viu no cinema foi A Pequena Sereia, quando tinha 5 anos, o que explica muita coisa. Desde aí, olhou sempre para trás e a história do cinema tornou-se a sua história. Pode ser que um dia consiga fazer disto vida, mas até lá, está aqui para se divertir, e partilhar com o insuspeito leitor aquilo que sente e é, quando vê Cinema.

Visualizações

Seguidores Blogger

Seguidores Google+

 
Copyright © 2015 Eu Sou Cinema. Blogger Templates